Como fomos tratados na imigração dos Estados Unidos

Você provavelmente já ouviu muito a respeito da rigorosidade dos Estados Unidos perante a iminência de imigrantes ilegais em seu território. Pensamos que na entrada do país seríamos perguntados a respeito de tudo até cairmos em contradição e ter nossa entrada invalidada. Exageros à parte, fomos muito bem preparados e isso porque nossa passagem por Nova York seria apenas por algumas horas de conexão.

Na ocasião fazíamos uma viagem de São Paulo com destino à Bangkok, na Tailândia, sendo a primeira conexão realizada em Nova York, mais precisamente no JFK. Em nossa mochila carregávamos uma pasta com vários documentos, atestados, cartões de vacina, comprovantes de renda, cartas de recomendação, ufa! Mal sobrou espaço para o notebook.

Estação do AirTrain no Aeroporto JFK, em Nova York, Estados Unidos

Estação do AirTrain no Aeroporto JFK, em Nova York, Estados Unidos. Créditos: Gisele Rocha

Foi a hora de enfrentar a fila da imigração para entrar no país. Em nossas cabeças seríamos confundidos com terroristas, ou então questionados exaustivamente a respeito de permanecer ilegalmente no país. Ora, um jovem casal sem emprego fixo, sem carro, sem casa, sem filhos, sem laço algum com o Brasil: tudo conspirava para que se despertasse pelo menos um pingo de desconfiança. Na verdade, fomos mais bem tratados do que no voo!

Primeiramente o oficial solicitou nossos passaportes e perguntou quanto tempo ficaríamos no país. Respondemos que seria apenas por seis horas e que voltaríamos para continuar a viagem. Com uma fila enorme atrás de nós o agente perguntou qual (ou quais) pontos pretendíamos conhecer. Respondemos que seria o Memorial do World Trade Center e ele fez aquela cara do famoso meme Not Bad do Obama, calculou mentalmente e disse que teríamos tempo suficiente. Mas terminou pedindo que tomássemos cuidado, uma vez que o tempo de espera na segurança que passaríamos na volta seria maior, já que o início da tarde é meio tumultuado. Ou seja, de quebra ganhamos ali uma dica valiosa e um bem-vindo caloroso.

Assista também ao nosso vídeo sobre como tirar o visto para os Estados Unidos: documentos necessários e perguntas frequentes.

Sabemos que o fato de se ter muitos carimbos no passaporte é um ponto positivo na análise de perfil feita pelos países a respeito da probabilidade da pessoa estar indo com objetivos de não sair mais e de trabalhar ilegalmente. Tanto é que não sentimos, em momento algum, nenhum tipo de pergunta que pudesse estar sendo feita com o propósito de nos fazer cair em contradição. Para falar a verdade, pelo tom de voz do oficial ao perguntar onde iríamos, parecia mais curiosidade do que investigação.

Na hora pensamos ter dado sorte de pegar uma pessoa tranquila naquele dia e de bem com a vida. Para falar a verdade, na volta tudo foi bem mais fácil e descontraído.

Se você está gostando do artigo até o momento, que tal curtir nossa página no Facebook?

Saímos de Krabi no início de dezembro, voamos para Bangkok e de lá pegamos o voo de volta que faria uma conexão rápida em Tóquio antes de chegar à Nova York. Nessa hora estávamos exaustos e com sono, fora o jet lag. Chegamos novamente à fila da imigração e dessa vez o outro oficial nos surpreendeu em simpatia.

Vão ficar quanto tempo nos Estados Unidos?” Respondemos novamente que se tratava de uma conexão. Aí começou o bate-papo: “É mesmo? E de onde vocês estão vindo?” Japão, respondemos. “E são quantas horas até São Paulo?” 11 horas, dissemos. “Nossa, isso não é pra mim. Mas admiro quem aguente viajar tanto tempo assim.” Aí dissemos que estávamos antes em Bangkok e ele demonstrando total interesse, mesmo com a fila grande atrás de nós. Ao terminar a conversa ele nos desejou boa viagem e ainda disse “Brasil? Quem sabe um dia?”

Imigração no aeroporto JFK, em Nova York, Estados Unidos

Imigração no aeroporto JFK, em Nova York, Estados Unidos. Créditos: Beatrice Murch / Fonte: Wikimedia Commons

O Brasil parece ter uma boa relação com os Estados Unidos no que tangem os tratamentos a turistas. Durante o processo de obtenção do visto também fomos muito bem tratados o tempo todo. Na entrevista não faltou simpatia da parte da funcionária que nos entrevistou.

É impossível saber ao certo como o resto do mundo é tratado na imigração americana, mas se você é brasileiro, fique tranquilo, você será bem recebido pelo país. Quando achamos que um dos países mais visados para se trabalhar vai fechar completamente as portas para o resto do mundo, na verdade é nos dado um voto de confiança. Muito do meu preconceito com os Estados Unidos acabou naquele dia. Um país que não nos despertava tanto interesse até então passou a ser o objetivo de nossa próxima viagem.

Se prepare, pois muitos artigos sobre os EUA estão para ser escritos nos próximos meses e a história do Viajei Bonito vai ganhar mais um grande capítulo. Mas não é hora de colocar a carroça na frente dos bois.

Você já teve alguma experiência (ruim ou boa) na imigração dos Estados Unidos? Compartilhe conosco e com nossos leitores utilizando os comentários abaixo. Assim você ajuda a enriquecer o artigo e de quebra contribui para a viagem de muita gente!

Nos vemos num próximo post.

Prepare-se para sua viagem

Q4 Hotel and Hostel

2909 Queens Plaza North

Descrição obtida de Booking

Este hostel de Long Island City está localizado em Queens, a 10 minutos de comboio da zona este de Manhattan. O Q4 Hotel dispõe de uma cozinha e de uma sala com uma mesa de ténis de mesa e uma televisão, partilhadas pelos hóspedes.

Quando você utiliza o botão abaixo para procurar sua hospedagem, o Viajei Bonito ganha uma pequena comissão e você não paga nada a mais por isso. É uma forma de ajudar nosso blog a continuar vivo, trazendo informações valiosas para sua viagem.

Verificar disponibilidade

Em Nova York, nossa sugestão de hospedagem é o Q4 Hotel and Hostel. Você pode procurar outros hotéis através do Booking, ou então se sua preferência é por albergues, acesse o Hostel World.

Vai alugar um carro? O preço do aluguel de veículos na categoria Compacto em Nova York é de aproximadamente R$235,00 por diária pela Europcar (confira mais preços aqui). Na Rentcars você compara preços em diversas locadoras no mundo todo com muita segurança, sem taxas no cartão de crédito, 5% de desconto no boleto, parcelamento em até 12 vezes e isenção de IOF.

O TOEFL é o mais reconhecido teste de língua inglesa no mundo e mais de 9000 instituições de ensino superior espalhadas pelo planeta o reconhecem. Uma boa nota no exame é um grande diferencial na busca por intercâmbios, vagas em universidades e até mesmo para empregos em países cuja língua oficial é o inglês. O Viajei Bonito recomenda dois cursos referentes ao TOEFL: o PreparaTOEFL, que funciona como um guia passo a passo e o Entendendo o TOEFL, guia introdutório. Conheça também os cursos de inglês da Udemy.

É altamente recomendável contratar um seguro viagem para garantir assistência médica em acidentes ou doenças. Você pode fazer sua cotação clicando aqui e utilizando o cupom de desconto VIAJEIBONITO5. Aprenda a contratar um seguro viagem e conheça também o seguro viagem que vale por um ano inteiro.

Em Nova York, o almoço simples sai por volta de R$56,78, já o fast-food sairá por mais ou menos R$25,24. Considerando o cappuccino, podemos dizer que o cafezinho da tarde custa R$13,17. Em restaurantes, a garrafa d'água de 330ml custa R$4,86, o refrigerante - considerando também o de 330ml - custa R$6,10 e o pint de cerveja R$18,93.

Descubra quanto custa viajar para Nova York.

Com base em cotações atualizadas do Yahoo Finance a cada duas horas, a proporção entre o Dólar dos Estados Unidos e o Real é de 1 USD para 3,1457 BRL. Você pode simular o valor que deseja converter com os preços das casas de câmbio clicando aqui.

Viajei Bonito

Somos duas pessoas apaixonadas por movimento. Para nós, cair na estrada é mais importante do que um projeto futuro de estabilidade e quaisquer oportunidades de novas viagens, por mais remotas e loucas que pareçam ser, a gente tá pegando! Créditos da imagem de capa: Mike Rolls / Fonte: Flickr
  • A minha experiência na imigração americana também foi tranquila, mas tive que ouvir do agente da imigração algumas perguntas como: “O que você foi fazer no Irã?” e “Quer conhecer também a Coreia do Norte?”.

  • Gisele Rocha

    Eu fiquei apreensiva porque na Rússia carimbaram a entrada justamente na folha ao lado do visto dos EUA, sendo que ainda existiam umas 3 folhas brancas disponíveis. Só olharam, deram uma risadinha de canto de boca e me deixaram passar, sem fazer perguntas.
    Ainda bem que não criaram caso. Vc já deve ter viajado bastante, né? Acho que isso conta a nosso favor.

  • Cristina Hamada

    Pra mim sempre foi tranquilo graças a Deus!! Mas Eu acho que depende da pessoa que atende e da cidade. Na Florida, NY,.. são bem simpáticos, tranquilos,… em MA já fazem mais perguntas.

  • Carlos Alexandre

    JFK é um aeroporto muito mais aberto e com maior fluxo. Eu errei na ida pro U.S.A saindo de Genebra onde eu moro, passri por detroit antes de chegar em Hartford, connecticut. Dpois que eu ja tinha passado pelo oficial, 20 metros mais pra frente me pararam. Enquanto esperava sentado, fiz o erro de botar a mão na boca. Fudeu! What did you put in your mouth! Repetiram vatias vezes….ainda brmq ru tbm falo inglês e me defendi. Quasr joguei na cara deles que morava na Suíça e n precisava de ir morar nos states de tão puto q me deixaram kkkk. Fui brm preparado tbm, levei tudo que pudi pra provar que eu estava falando. Final da história, assim qu eu me vesti pra festa de casamento, os americanos me acharam parecido com Obama!

  • Pois é, já ouvi alguns amigos que viajam pra lá com mais frequência de serem interrogados ao ponto de revistarem as malas para descobrir se eles tinham algum vínculo ilegal com o país.

  • Hahahahaha, que história pra contar, hein!? Será que eles acharam que você estava com produtos ilícitos no bolso e os engoliu pra esconder?

  • Fabiano Procopio

    Muito obrigado pelo post!
    Fiquei curioso em saber como foi o tratamento qdo foram para os 6 meses.

    Obrigado novamente

  • Gisele Rocha

    Fabiano, felizmente fomos recepcionados com a mesma simpatia. O oficial até se mostrou entusiasmado com a nossa viagem. Quando passamos pela imigração nas Bahamas, na terceira vez que fomos aos Estados Unidos, a agente não foi tão simpática, mas fez apenas as perguntas de sempre e nos deixou entrar. Se você está com os documentos em dia, tem as passagens de volta e comprovantes de hospedagens, não precisa se preocupar.

  • Fabiano Procopio

    Legal, vou fazer uma viagem de 6 meses também pelo EUA, e sempre rola aquele frio na barriga hahah.
    Vocês já foram com tudo planejado daqui, tipo, todos os lugares (hotel/hostel/airbnb) que vocês ficariam?
    Penso num planejamento mais aberto, só tenho a reserva do hostel q vou ficar em NYC, depois disso vou encontrar uma amiga e ir desbravando o país, acha que pode ter alguma complicação?

  • Gisele Rocha

    A gente também só tinha os comprovantes dos hospedagens dos primeiros dias, mas tínhamos as passagens de volta, seguro viagem, extratos bancários e tudo mais que eles pudessem pedir.