Conheça todas as formas de chegar a Machu Picchu

Que Machu Picchu é incrível, não precisa nem dizer! Não é a toa que é intitulada de cidade sagrada e os que já a visitaram afirmaram sentir uma energia especial pairando no ambiente. Não vamos listar aqui os motivos para visitar uma das atuais 7 maravilhas do mundo, pois já escrevemos um artigo sobre a incrível cidade Inca. Falaremos hoje sobre os caminhos para se chegar a Machu Picchu!

Como chegar a Machu Picchu de trem, pela hidrelétrica, trilha Salkantay, trilha inca, trilha Choquequirao de bicicleta e margeando a trilha férrea. Créditos: Aaron Logan / Fonte: Flickr

Clique na imagem acima para adicionar este artigo em seu Pinterest e veja também nossos painéis. Foto por: Aaron Logan / Fonte: Flickr

Antes de mais nada, espere ao menos 48 horas para começar qualquer atividade que exija esforço físico. Não brinque com o mal de altitude, ele pode ser fatal.

Agora sim! Vamos nessa?

Rota 1 – Indo de trem

Viajar de trem é a maneira mais cômoda de se chegar a Machu Picchu

Viajar de trem é a maneira mais cômoda de se chegar a Machu Picchu. Créditos: Adam Reeder / Fonte: Flickr

Duração: 1 dia
Preço: ida e volta a partir de 110 dólares (352 reais)
Nível de dificuldade: fácil

A maneira mais conhecida de se chegar a Machu Picchu é a viagem de trem, sem dúvidas. Adiantamos que ela não é a única, mas é indispensável falar sobre, pois é a forma mais prática, se você não dispõe de tempo e ânimo para trilhas e caminhadas longas!

Nesse trajeto o trem o levará até Águas Calientes, também conhecida por Machu Picchu Pueblo, uma cidadezinha que fica a menos de 10 km da cidade perdida.

Comprando as passagens de trem para Machu Picchu

Só existem duas linhas de trem que levam a Águas Calientes, essas são a Peru Rail e a Inca Rail. As passagens de trem podem ser compradas pela internet no site oficial de cada companhia. Então vamos por parte.

Para ir de trem até Águas Calientes é necessário estar em uma dessas cidades, pois é de onde saem as locomotivas: Cusco, Ollantaytambo ou Urubamba. Sugerimos que você vá de trem no fim da tarde para Aguas Calientes e durma lá para que no outro dia vá visitar Machu Picchu.

Por quê?

Primeiramente porque o corpo demora um tempo a se adaptar com a altitude (leia sobre como evitar o mal de altitude aqui) e fazer todo o trajeto em um dia só pode ser muito cansativo, uma vez que a visita ao parque é toda feita a pé. Depois porque nada como ver Machu Picchu amanhecer, não é mesmo? De manhã você pode aproveitar melhor o local e se for um dos primeiros a chegar lá não enfrentará aquela fila enorme.

Como chegar a Águas Calientes de trem?

Os trens possuem desde classe econômica até classe presidencial, o preço varia de acordo com o luxo. A viagem de Cusco até Águas Calientes dura em torno de três horas e 45 minutos, de Ollantaytambo a Águas Calientes 1 hora e 20 e de Urubamba a Águas Calientes 2 horas e 10 aproximadamente. Os trens são novos e limpos, o conforto e preço variam de acordo com a classe que você escolher para viajar, a data também influencia.

Se você escolher viajar na alta temporada as passagens de trem estarão mais caras. Adiantamos que as passagens de trem não são baratas e custam a partir de 120 dólares ida e volta. Se você sair de Ollantaytambo o preço pode baixar um pouco, pois o vilarejo é mais perto de Machu Picchu.

O que fizemos foi passear pelo Vale Sagrado – destino que inclui povoados históricos como Pisac e Ollantaytambo – e de lá ir para Águas Calientes. De lá, saímos para Machu Picchu antes de amanhecer.

E depois de chegar a Águas Calientes?

Você tem duas opções ao chegar em Águas Calientes para ir a Machu Picchu.

Ir a pé até Machu Picchu

Se você estiver na pilha de fazer uma boa caminhada e o mal de atitude não for uma barreira para você, em 3 horas andando pelo chamado “Caminho Inca” você estará na entrada do parque! Aconselhamos que você leve água, porque em Machu Picchu uma garrafinha de água custa 10 soles!

Ir de ônibus

O primeiro ônibus para Machu Picchu sai as 5h 30 da manhã! E antes disso a fila para pegá-lo já está imensa. Portanto, chegue bem cedo, por volta das 4h45.

Uma curiosidade na hora de comprar o bilhete é que você verá placas escritas: “Adulto Extranjero: subida y barrada”. Há um valor diferenciado para estrangeiros no turismo de Machu Picchu, os peruanos pagam menos. Isso é uma forma do governo incentivar a cultura entre os nativos.

Onde comprar a passagem de ônibus de Águas Calientes para Machu Picchu

Você pode comprar os tickets em Águas Calientes na Avenida Hermanos Ayar S/N, de 5 às 21 horas, ou ainda pode fazer sua reversa online pelo site da empresa. Ida e volta para estrangeiros custa 24 dólares, mas atenção! A compra dos bilhetes de ônibus para chegar ao parque não dá direito à entrada, para isso você deverá adquirir um ingresso (falaremos disso depois)!

Rota 2 – Caminho da hidroelétrica

Como e quanto custa chegar a Machu Picchu pelo caminho da hidrelétrica

Como e quanto custa chegar a Machu Picchu pelo caminho da hidrelétrica. Créditos: Davy Demaline / Fonte: Flickr

Duração: 2 dias
Preço: ida e volta a partir de 26 dólares (85 reais)
Nível de dificuldade: moderado

Essa rota é a mais econômica para chegar a Machu Picchu e não requer muito esforço físico. O trajeto é conhecido como “caminho da hidrelétrica”, porque a estrada termina em uma hidrelétrica.

A primeira parte desse roteiro é pegar um transporte de Cusco para Santa Tereza, um dos distritos pertencentes a região de Cusco. Se você estiver em grupo, um táxi pode sair bem barato! Lembrando que no Peru não há taxímetros, isso significa que você deverá combinar o preço da corrida com o taxista.

Outra opção é contratar o serviço de uma agência de turismo que oferece vans que levam ao povoado. Você consegue ir e voltar por esse caminho (Cusco-Santa Tereza, Santa Tereza-Cusco) por 90 soles! É absurdamente mais barato do que ir trem!

Passando por Santa Maria

 Uma outra opção para se chegar a Santa Tereza é ir de Cusco para Santa Maria, distrito próximo a Santa Tereza, de ônibus. Siga os passos:

  1. Vá até o Terminal Terrestre de Cusco, que fica na rua Micaela Bastidas.
  2. Compre sua passagem até Santa Maria.
  3. Chegando a Santa Maria, compre um bilhete para Santa Tereza ou vá de táxi compartilhado de Santa Maria a Santa Tereza.
  4. Pegue uma van ou táxi até a hidrelétrica.

De Cusco a Santa Maria são mais ou menos 4 horas de viagem. De Santa Maria a Santa Tereza são 30 minutos, aproximadamente 14km, de acordo com o Google Maps. Se você sente enjoos em estradas com muitas curvas, tome algum remédio que você esteja acostumado e tenha sempre bastante água com você.

O caminho, também, tem partes bastante sinuosas e que beiram precipícios, então se certifique, antes, das condições dos veículos que você usar para chegar lá. Leia o nosso guia para identificar empresas de ônibus confiáveis no Peru.

Da hidroelétrica a Águas Calientes

Chegando à hidroelétrica partimos para etapa dois: caminhada até Águas Calientes. Essa caminhada dura 3 horas e a paisagem é incrível! A caminhada é feita parte ao lado dos trilhos de trem e outra parte por uma trilha de mata mais fechada, então use roupas confortáveis. Leve, também, repelente, pois os mosquitos são os donos do caminho.

Finalmente, depois de 3 horas, você chegará a Águas Calientes e pode optar em pegar o ônibus até o parque de Machu Picchu ou encarar mais um tempinho de caminhada, como explanamos na rota 1.

O pessoal do blog Tô Longe de Casa fez o percurso pela hidrelétrica e conta detalhadamente como foi.

Rota 3 – Trilha Salkantay

Chegar a Machu Picchu pela Trilha Salkantay requer preparo físico

Chegar a Machu Picchu pela Trilha Salkantay requer preparo físico. Créditos: Corey Spruit / Fonte: Flickr

Duração: 5 dias
Preço: ida e volta a partir de 262 dólares (840 reais)
Nível de dificuldade: difícil

Para os amantes do esporte e da natureza a trilha Salkantay não é nenhum sacrifício. O nome da trilha é em homenagem ao famoso nevado de Salkantay. Se você tem preparo físico, adora caminhar e está disposto a despender 5 dias na mata, reserve esse tour com pelo menos dois meses de antecedência, pois ela é muito procurada!

O valor não é nada barato, mas geralmente inclui alimentação, com direito a um cozinheiro no meio da mata, um guia bilíngue, cavalos que transportam os equipamentos de acampamento, barracas, kit primeiros socorros, uma diária em Águas Calientes e a entrada do parque de Machu Picchu. Uma coisa ou outra varia de acordo com agência que você escolher.

Os 5 dias e 4 noites desse passeio custa a partir de 262 dólares e inclui todas as refeições, barracas, guias bilíngues (inglês e espanhol), uma diária em Águas Calientes, ingresso para Machu Picchu, ônibus de descida até Águas Calientes e traslado de Ollantaytambo até Cusco.

Percurso pela Trilha Salkantay

1º dia

A agência que você contratar irá buscá-lo no aeroporto de Cusco e o levará até o hotel que você reservou. É recomendável que você descanse um pouco. Se quiser, poderá tomar chá de coca para que o seu corpo se acostume com a altitude. Depois um ônibus levará o grupo ao povoado de Mallepata, povo andino antigo que ainda conserva sua cultura e fazendas antigas. De lá já conseguimos ver o imponente Salkantay. Ali você poderá desfrutar da paisagem enquanto toma seu café da manhã para ganhar energia e começar a caminhada.

O trakking passará por alguns povoados que ainda falam quéchua, idioma antigo do país, e você subirá pela colina Ch´allacancha, onde os condores (maior pássaro do mundo) habitam! Posteriormente há uma pausa para o almoço e um descanso e após a sesta a caminhada continua até a lagoa de Umantay! A lagoa é de um verde estonteante e ali você pode participar de uma cerimônia religiosa, entre as montanhas Umantay e Salkantay, chamada de Pachamama, a divindade suprema da cultura andina.

A altitude máxima que pode se chegar nesse primeiro dia de passeio é a quase 4 mil metros, então esteja ciente disso antes de comprar seu tour. Após a cerimônia os turistas partem para o primeiro dia de acampamento.

2º dia

O segundo dia será um pouco mais puxado, porque a altitude chega a até quase 5 mil metros. Após o café a caminhada continua até o nevado de Umantay, próximo ao nevado de Salkantay. No pico mais alto de Umantay podemos ver as geleiras e as belezas incríveis do nevado que dá nome ao nosso passeio. Uma pausa para o almoço é feita. Nesse intervalo você pode descansar e tirar fotos à vontade. O almoço será no povoado de Huayracmachay. Após a refeição, passa-se por mais um povoado até chegar ao acampamento: Chaullay ou Colpapampa. Ao chegar ali, o jantar será servido e todos poderão ir para suas barracas descansar.

A vista que se tem da Trilha Salkantay é de tirar o fôlego

A vista que se tem da Trilha Salkantay é de tirar o fôlego. Créditos: Verb1der / Fonte: Flickr

3º dia

No terceiro dia a paisagem muda! Os nevados dão lugar a uma imensa variedade de fauna e flora! Depois do café os guias o levam para apreciar a formação de águas termais em um vale e posteriormente para uma caminhada de 5 horas dentro da mata. Ao término dessa parte da trilha, o passeio segue até o povoado de La Playa, onde o almoço será servido.

De lá toma-se um transporte até a cidade Santa Tereza. A altitude não é tão grande como a dos outros dias, chega no máximo a 3 mil metros e a essa altura o seu corpo já se acostumou. Após essa caminhada todos seguem para o acampamento onde deverão descansar para enfrentar o quarto dia de passeio!

 4º dia

Nessa etapa do tour seguiremos os 10 km da famosa Trilha Inca. Vale ressaltar que nem todas as agências fazem esse percurso e o roteiro também varia de empresa para empresa, mas a base do passeio é a mesma. Em uma caminhada em meio a milhares de frutas, plantação de café e de coca, chega-se ao Centro Arqueológico de Llaqtapata de onde podemos ter uma visão panorâmica da famosa Huayna Picchu, montanha mais alta de Machu Picchu!

O contraste entre a montanha Salkantay e a Cidade Inca é realmente memorável! O passeio segue até a hidrelétrica (a mesma que citamos no roteiro 2), onde será servido o almoço. Depois da refeição caminha-se até Águas Calientes para passar a noite em um hotel.

 5º dia

No quinto e último dia, após o café da manhã, seguimos a pé até a cidade sagrada para ver o sol nascer! Ao chegar ao parque, se você ainda tiver disposição e tiver feito a reserva antes, você poderá subir o Huayna picchu! Depois de desfrutar da cidade sagrada, todos voltam a pé até Águas Calientes para almoçar e seguir de trem até a cidade de Ollantaytambo, onde termina o nosso passeio.

O casal do Compartilhe Viagens também fez a Trilha Salkantay para chegar a Machu Picchu. Leia o relato completo.

Se você está gostando do artigo até o momento, que tal curtir nossa página no Facebook?

Roteiro 4 – Trilha Inca

A Trilha Inca é um dos meios mais conhecidos de se chegar a Machu Picchu

A Trilha Inca é um dos meios mais conhecidos de se chegar a Machu Picchu. Créditos: Thomas Barrat / Fonte: Shutterstock

Duração: 4 dias
Preço: ida e volta a 480 dólares (1.540 reais)
Nível de dificuldade: difícil

Considerada a trilha mais famosa da América do Sul, esse passeio dura 4 dias e é recomendado para os aventureiros de plantão! Essa trilha é um pouco mais corrida do que a Salkantay, mas não menos cansativa!

1º dia

O primeiro dia de caminhada começa ao lado do Rio Urubamba e vai até o povoado de Miskay, de onde os grupos seguem em uma subida para ver a Cidade Inca de Patallacta. A caminhada continua seguindo o percurso criado pelo Rio Kusichaca até chegar ao acampamento de Wayllabamba, de onde é possível ver o Rio Vilcanota e parte do Nevado Verônica que fica a quase 6 mil metros de altura. Depois do jantar é hora de dormir para encarar o segundo dia de trilha.

2º dia

O segundo dia é mais puxado! São 9 km de caminhada morro acima por um caminho estreito beirando precipícios. Feita essa primeira parte, chega-se à montanha conhecida como Abra de Warmihuañuska, rodeada por lhamas e alpacas. Depois disso, a caminhada continua por um bosque rico em fauna e flora, local onde mora o urso andino. De lá, o caminho segue por uma descida até chegar ao Vale de Pacaymayu, onde será o segundo dia de acampamento.

3º dia

 O terceiro dia é mais voltado a visitas em sítios arqueológicos. Depois do café da manhã, o grupo parte para o passo Abra de Runcurakay, onde está um sítio arqueológico. De lá, vem a descida até Yanacocha, que é conhecida como lagoa negra, e depois Sayacmarca, outro complexo arqueológico recheado de canais de irrigação lindíssimos! Se você é fã de história, essa trilha é ideal para você!

A caminhada continua subindo novamente até o passo Abra Phuyupamarca, localizado no ponto mais alto da montanha. O complexo é tido como o mais completo, com rochas intactas que recontam a história dos incas. Depois de respirar história e bater muitas fotos, hora de seguir até Wiñay Wayna, último sítio a ser visitado, composto por um centro agrícola com elementos urbanos e religiosos.

 4º dia

 Após uma noite (mais ou menos) bem dormida, é chegada a hora de rumar para Machu Picchu! O dia começa em uma caminhada até Inti Punku, que leva cerca de uma hora. De lá até o destino final são apenas 40 minutos.

Se você se organizar, poderá ver o sol nascer em Machu Picchu! No parque haverá um passeio guiado de mais ou menos 2 horas e meia para que você possa conhecer a cidade sagrada e nesse meio tempo, se você ainda tiver pique, poderá subir a montanha de Huayna Picchu. Quer saber se vale a pena? Leia o relato da Vanessa Macagnan para o Ciao Viaggio.

Após 5 dias sofridos de trilha, desça para Águas Calientes (de ônibus, você merece) para tomar um banho nas águas termais e relaxar.

Rota 5 Trilha Choquequirao

Trilha que leva às ruínas de Choquequirao, a irmã desconhecida de Machu Picchu

Trilha que leva às ruínas de Choquequirao, a irmã desconhecida de Machu Picchu. Créditos: Danielle Pereira / Fonte: Flickr

Duração: de 5 a 13 dias
Preço: a partir de 120 dólares (385 reais)
Nível de dificuldade: muito difícil

A trilha por Choquequirao é a mais desafiadora entre todas aqui citadas. Dizem que essa cidade é a irmã desconhecida de Machu Picchu, não só por também ter sido por Hiram Bingham no início do século XX, mas pelas semelhanças estruturais.

Choquequirao foi a última fortaleza criada pelos incas antes da invasão espanhola. A cidade, que também foi construída de pedra, está dividida em diversos setores: militar, sagrado, astronômico, agrícola e urbano. Acredita-se que apenas 30% tenha sido escavada e restaurada pelos pesquisadores. Para chegar até lá, a caminhada dura no mínimo dois dias.

O caminho entre Choquequirao e Machu Picchu pode ser feito por conta própria ou com intermédio de agências locais. É claro que a forma independente é mais barata, mas os perrengues serão muito maiores.

Choquequirao é a verdadeira Cidade Perdida dos Incas, ainda pouco explorada por pesquisadores e turistas

Choquequirao é a verdadeira Cidade Perdida dos Incas, ainda pouco explorada por pesquisadores e turistas. Créditos: Danielle Pereira / Fonte: Flickr

Se você ainda não se cansou de ver sítios arqueológicos e ruínas do Império Inca, vai na fé. O percurso é puxado, mas nada é impossível.

O casal do 1000 dias fez a trilha de Choquequirao e relatou a saga em um artigo completo.

Rota 6 – De bicicleta

Ir a Machu Picchu de bicicleta é uma boa opção para os aventureiros mais habilidosos

Ir a Machu Picchu de bicicleta é uma boa opção para os aventureiros mais habilidosos. Créditos: philipdixon / Fonte: Flickr

Duração: 4 dias
Preço: ida e volta a partir de 245 dólares (787 reais)
Nível de dificuldade: de moderado para difícil

Pedalar pela selva peruana pode ser uma aventura e tanto! É uma boa opção para quem não quer pegar o trem, mas não está disposto a andar o percurso todo. A viagem dura entre 3 e 4 dias pela bagatela de 245 dólares.

Alerta! Certifique-se de que o seu seguro viagem tem cobertura para esportes radicais, já que tombos são praticamente inevitáveis. Kit de primeiros socorros e remédio contra dores musculares cai muito bem aqui.

1º dia

A agência responsável pelo passeio busca os aventureiros em seus respectivos hotéis, hostels ou Airbnb (cadastre-se através do nosso link para obter descontos) às 7h da manhã todos já estão a bordo da van rumo a Malaga, onde a empreitada começa de verdade.

De Malaga, o grupo desce até Santa Maria ou, às vezes, em cidadezinhas do caminho. Depende do ritmo das pessoas e das condições climáticas. É ali que termina o primeiro dia do circuito, já com acomodações inclusas no pacote para que todos possam descansar para o dia seguinte.

2º dia

Saindo de Santa Maria (ou alguma cidade vizinha), o percurso é muito parecido com o que sugerimos na Rota 2. Você pode continuar de bicicleta até Santa Tereza, ou ir caminhando ou ainda pegar uma van. Tudo depende do seu preparo físico.

Se optar por caminhar, depois de longas horas de caminhada você poderá relaxar em uma das fontes termais de Cocalmayo. De lá para Santa Tereza são 40 minutos de caminhada. Nada mal para quem já andou umas 7 horas durante o dia.

3º dia

De Santa Tereza é possível pegar um trem para Águas Calientes ou continuar andando. Veja a Rota 2 para mais detalhes.

Dia 4º

De Águas Calientes para Machu Picchu é um pulo e se você não pulou nenhuma parte deste artigo, já conhece as opções. Mais uma vez, se quiser ver o sol nascendo na Porta do Sol, levante cedo.

A galera do blog Segredos de Viagem fez o percurso de bicicleta e achou bem legal, além de ser fácil de agendar com qualquer agência em Cusco. Leia o relato na íntegra.

Se você gosta de pedalar, não perca as nossas dicas de roteiros feitos de bicicleta no Brasil.

Como comprar a entrada do Parque de Machu Picchu?

O cartão postal mais famoso de Machu Picchu logo pelo amanhecer

O cartão postal mais famoso de Machu Picchu logo pelo amanhecer. Créditos: Gisele Rocha

Antes de comprar o seu ingresso para Machu Picchu, confira com a agência se ele está incluso no valor final do passeio. O preço atual é 128 soles (ou 121 reais).

O que levar na mochila para qualquer trilha até Machu Picchu 

Esteja sempre com seus documentos e não leve bagagens pesadas para a trilha, você precisará carrega-la durante o dia inteiro. Itens essenciais são:

  • Capa de chuva
  • Kit de higiene
  • Kit primeiros socorros
  • Remédios contra dor de cabeça e dores musculares
  • Protetor solar
  • Biscoitos e água
  • Calçados confortáveis com solado antiderrapante
  • Repelente
  • Gorros e chapéu
  • Casaco corta-vento
  • Saco de dormir e isolante térmico
  • Papel higiênico
  • Toalha de microfibra (pesa menos e ocupa menos espaço)
  • Roupa de banho
  • Lanterna
  • Agasalhos, luvas, cachecol, gorros, e roupas térmicas 

Onde se hospedar próximo a Machu Picchu

A cidade mais próxima a Machu Picchu é Aguas Calientes. É lá que os aventureiros pernoitam antes do grande dia de conhecer a Cidade Perdida dos Incas.

A minha sugestão para quem quer pagar pouco e ficar em um hotel bem localizado é o Andino Hotel. Estão a poucos passos da estação e do ponto de onde saem os microônibus para Machu Picchu, além disso, oferecem café da manhã gratuito.

Agora que você já sabe os caminhos para chegar a Machu Picchu é só escolher um, arrumar a mochila e se aventurar! Gostou das nossas dicas? Compartilhe com seu grupo de amigos!

Leia mais sobre Machu Picchu

Prepare-se para sua viagem

Em Machu Picchu, nossa sugestão de hospedagem é o Andino Hotel. Já em Cusco, recomendamos o Tierra Viva Cusco Plaza. Você pode procurar outros hotéis através do Booking, ou então se sua preferência é por albergues, acesse o Hostel World.

Vai alugar um carro? O preço do aluguel de veículos na categoria Compacto em Cusco é de aproximadamente R$170,00 por diária pela Europcar (confira mais preços aqui). Na Rentcars você compara preços em diversas locadoras no mundo todo com muita segurança, sem taxas no cartão de crédito, 5% de desconto no boleto, parcelamento em até 12 vezes e isenção de IOF.

Veja o motivo pelo qual recomendamos o seguro viagem para quem viaja pela América do Sul. Você pode fazer sua cotação clicando aqui e utilizando o cupom de desconto VIAJEIBONITO5. Aprenda a contratar um seguro viagem e conheça também o seguro viagem que vale por um ano inteiro.

Em Cusco, o almoço simples sai por volta de R$7,24, já o fast-food sairá por mais ou menos R$15,34. Considerando o cappuccino, podemos dizer que o cafezinho da tarde custa R$4,82. Em restaurantes, a garrafa d'água de 330ml custa R$1,06, o refrigerante - considerando também o de 330ml - custa R$3,70 e o pint de cerveja R$7,72.

Descubra quanto custa viajar para Cusco.

Com base em cotações atualizadas do Yahoo Finance a cada duas horas, a proporção entre o Novo sol peruano e o Real é de 1 PEN para 0,9776 BRL. Você pode simular o valor que deseja converter com os preços das casas de câmbio clicando aqui.

Viajei Bonito

Somos duas pessoas apaixonadas por movimento. Para nós, cair na estrada é mais importante do que um projeto futuro de estabilidade e quaisquer oportunidades de novas viagens, por mais remotas e loucas que pareçam ser, a gente tá pegando! Créditos da imagem de capa: Geraint Rowland / Fonte: Flickr
  • Mirella Matthiesen

    Que posts super legal! Adorei…
    Sou doida para conhecer Machu Picchu e sinceramente não sabia que tinha todas essas opções para se chegar lá em cima… adoraria fazer uma trilha, deve ser sensacional!!!!
    Bjão

  • Ana Carolina Vasconcellos Mira

    Parabéns pelo post! Amei as dicas. Confesso que não imaginava que seriam tantos os caminhos que levariam até lá, mas seu post é de leitura imprescindível para quem quer visitar Machu Picchu. Já guardei suas dicas, obrigada.

  • Michela Borges Nunes

    Este é um dos destinos sonho da lista. Quero muito ir, mas ainda não deu. Mas amei as dicas, post super completo. E que trem mais lindo! É que deu uma preguiça de pensar nas trilhas que já analisei melhor o trem, rsssss. Mas as paisagens são mesmo de tirar o fôlego!

  • Está na lista há tanto tempo… Adorei todas as explicações! Muito bem feito! Não sabia da existência de tantas possibilidades. Confesso que na atual conjuntura dos fatos preferiria o trem..rs

  • Opa, dicas super úteis 🙂 Vou salvar o link para quando essa viagem dos sonhos finalmente acontecer… Não acredito que ainda não conheço Machu Picchu!

  • Lidiane Albuquerque

    Machu Picchu é um sonho. Parabéns pelo post e por passar tantas informações detalhadas. 😉

  • Paula Cristina

    Nossa, muito boas as suas dicas! Confesso que só de ler sobre alguns roteiros aqui eu já fiquei cansada… preciso melhorar a forma física haha. Acho que iria de trem. 😀 Mas não sabia que tinham tantas possibilidades, muito bom o post!

  • Renata Inforzato

    Esse é um dos lugares que mais tenho vontade de ir. Cheguei até a planeja uma viagem, mas aconteceu o terremoto e não fui. Depois me mudei pra cá e quando vou pro Brasil, acabo não viajando… Mas ainda irei. òtimo post. Um abraço

  • Gisele Rocha

    É demais! Prepare a bota, o agasalho e a água. O resto é resto!

  • Gisele Rocha

    Seu comentário nos fez tão feliz! Obrigada, Ana Carolina!

  • Gisele Rocha

    De trem é ótimo também, porque as paisagens são lindas. Vai ser impossível dormir ou ficar mexendo no celular.

  • Gisele Rocha

    Renata, vá sim! Tanta coisa para ver no Peru além de Machu Picchu que você vai querer passar uns 2 meses por lá.

  • Gisele Rocha

    Que bom que gostou, Paula. Fico feliz demais!

  • Gisele Rocha

    Fico feliz com o seu comentário, Lidiane.

  • Gisele Rocha

    Ganhei o dia com o seu comentário, Nanda! E vá mesmo, programe-se para ficar bastante tempo porque o país é todinho incrível.

  • Marcella Buchalla Pacca

    Que post suuuper explicativo! Parabéns!
    É incrível como há cada vez mais formas de se chegar a Machu Picchu.
    Quando eu fui fiz um percurso 3 em 1: um dia de bike, outro a pé e outro de trem! Adorei porque teve de tudo um pouco, e ainda passamos pela hidrelétrica! =)

  • Naiara Back de Moraes

    A minha tendência é sempre a bicicleta. Mas essas fotos do percurso de trem. Que vistas!!!

  • Christian Gutierrez

    Eu faria a trilha de 5 dias que deve passar por cada lugar lindo ou de bike que ser uma aventura.

  • Carolina Belo

    Olá!!! Eu fui de trem mesmo, mas AMEI as outras possibilidades. Quem sabe em uma próxima vez!! Já até salvei para consultas futuras! Parabéns pelo post!
    Abraços
    Carolina

  • fiz o caminho tradicional com trens de cusco até aguas calientes e depois montamos base na cidade, foi tudo perfeito, gostei bastante das várias opções que esse destino oferece! abraços

  • Luciana De Campos Assis

    Sou doida para fazer a trilha ao
    Machu Picchu e até ler seu post achava que existia apenas uma trilha, a Inka. Agora fiquei mais instigada ainda a voltar pro Peru pra fazer uma delas.

  • Viajante Móvel

    Essa é uma viagem que quero muito fazer, mas quando tiver vários dias, pois quero curtir cada pedacinho do local. Esse seu post ficou super completo e vai me ajudar muito no meu planejamento.

  • Rayane Azevedo

    O Peru está na minha lista há um tempo já e sempre arrumo outra trip pra fazer… Seu post tá completíssimo, parabéns! Salvei e vou usá-lo pra fazer meu roteiro! Se tudo der certo, essa viagem sai este ano!

  • Luciana Freitas

    Post super útil e completo para que for para lá. Parabéns!!!!

  • Analuiza

    Assim… de trem é o meio de transporte que eu provavelmente vou usar caso algum dia visite a região, MAS fiquei com super água na boca de fazer qualquer uma das trilhas sugeridas! Deve ser uma experiência e tanto! 🙂

  • Gisele Rocha

    A vista do trem é linda tbm, então dá para apreciar sem suar. Hahaha

  • Gisele Rocha

    Faz a da hidroelétrica então. São só 3 horinhas (se vc não parar mto para tirar fotos).

  • Gisele Rocha

    Obrigada, Luciana!

  • Gisele Rocha

    Opa! Depois volta aqui e me conta qual alternativa vc escolheu.

  • Gisele Rocha

    Que bom. Fico feliz em saber.

  • Gisele Rocha

    Lu, as possibilidades são infinitas!

  • Gisele Rocha

    Obrigada, Carolina!

  • Gisele Rocha

    Eu faria a de bike se soubesse andar de bike 🙁

  • Gisele Rocha

    Quem tem coragem de cochilar no trem com uma vista dessa?

  • Expanda Fronteiras

    O roteiro mais completo de opções para chegar a Machu Pichu que eu já vi. Guardado nos favoritos, com certeza. Parabéns!

  • Gabi Pizzato

    Muito bom o post! Não faltam alternativas para se ir até Macchu Picchu e eu ainda nem cheguei perto… acho que escolheria alguma trilha!!! Adorei, obrigada pelos detalhes! 😉

  • Leo Sv

    A trilha inca deve ser muito emocionante, mas eu não cheguei a me aventurar. Fui de ônibus saindo de Aguas Calientes e acho que vale bastante dormir por lá para subir logo cedo.

  • Gisele Rocha

    Algumas dessas trilhas terminam em Aguas Calientes, que é a porta de entrada para Machu Picchu. Vale a pena dedicar um dia inteiramente a ela antes ou depois do passeio pela Cidade Sagrada.

  • Gisele Rocha

    Obrigada pelo comentário, Gabi

  • Gisele Rocha

    Que alegria ler isso. Obrigada, gente!