Os segredos de Machu Picchu

Lá se foram dois anos desde que coloquei meus pés pela primeira vez na “Cidade perdida dos Incas” e desde então vários amigos vêm me pedindo dicas sobre lá. Eu queria sair do trivial e ir além das informações básicas que consistem em: quando ir, como chegar e quanto custa. Decidi então escrever também sobre os segredos de Machu Picchu, contando os detalhes que só quem faz a visita guiada fica sabendo.

Guia completo e inédito incompleto com todas as informações que você precisa para conhecer Machu Picchu: como chegar, o que levar, onde se hospedar, guia do parque e muito mais. Créditos: audrey_sel / Fonte: Flickr

Clique na imagem acima para adicionar este artigo em seu Pinterest e veja também nossos painéis. Foto por: audrey_sel / Fonte: Flickr

A história de Machu Picchu

Se você estiver planejando ir a Machu Picchu, é quase certo que antes disso você passe alguns dias em Cusco, pois os voos mais próximos ao sítio arqueológico chegam por lá. Caso tenha a oportunidade, faça um passeio pela cidade e verá que os colonizadores espanhóis destruíram boa parte das construções incas. Um exemplo disso está na Catedral e no Convento de Santo Domingo, construídos em cima do templo inca Coricancha (grafado também como Qorikancha ou Koricancha).

Muitas outras cidades passaram por esse processo de destruição e você me pergunta: “Por que Machu Picchu foi preservada?”. Simplesmente porque os Incas evacuaram a cidade e isolaram-na. Assim, os colonizadores nunca tiveram acesso a ela e muito provavelmente nem sabiam da sua existência. Ainda nesse post mostrarei uma das rotas de fuga que os nativos criaram.

Apesar de ter sido construída por volta de 1450, Machu Picchu começou a cair na boca no povo em 1911, quando foi “redescoberta” pelo pesquisador norte-americano Hiram Bingham. No entanto, especula-se que bem antes disso o lugar tenha sido explorado por um empresário com aprovação do governo peruano, que recebia uma parte dos lucros pelas vendas dos objetos e tesouros vendidos a colecionadores. O local já constava em muitos mapas, mas como era de difícil acesso, ninguém ia lá.

Bingham ficou sabendo sobre a existência das ruínas através de um camponês e foi um menino de 10 anos quem o guiou até lá, apesar de todas as dificuldades e riscos. O historiador conseguiu recursos e voltou por duas vezes, em 1914 e 1915, trazendo consigo uma equipe que encontrou vários objetos de cerâmica, pedra e metal. Este material foi levado para a Universidade de Yale, que só há poucos anos os devolveu ao Peru.

Em 1983, Machu Picchu foi declarado Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco e recebe até 2500 visitantes por dia, vindos do mundo inteiro, já que esse é um dos destinos mais procurados na América do Sul.

Até agora, só história. Então vamos aos segredos de Machu Picchu.

A primeira surpresa

Minha amiga e eu chegamos a Machu Picchu por volta de umas 6h30 da manhã, quando o lugar ainda estava relativamente vazio. Na entrada, uma guia turística credenciada oferecia os seus serviços. Esperamos formar um grupo de 5 pessoas e pagamos, cada uma, 15 soles pelo passeio de 2 horas. Até 20 soles por pessoa é um preço justo, mais do que isso, espere pelo próximo guia.

Fomos caminhando para dentro da cidade enquanto a guia nos contava que os incas tinham muita ligação com a natureza e que para eles ela exercia um papel sagrado. Por isso, acredita-se que Machu Picchu (que em quíchua quer dizer “velha montanha”) tenha sido construída ali no alto para que o imperador pudesse se esconder em caso de guerras e que o local também era usado para estudos astronômicos e supervisão da economia.

De cara, a primeira paisagem que se observa é o cartão-postal de Machu Picchu. Lindo, maravilhoso, ótimo pra uma foto no Instagram.

O cartão postal mais famoso de Machu Picchu logo pelo amanhecer.

O cartão postal mais famoso de Machu Picchu logo pelo amanhecer. Créditos: Gisele Rocha

E se você inverter a imagem? Fica muito mais interessante, né? O que você vê?

No contraste entre as luzes e sombras nas montanhas, é possível ver um rosto perfeito, com a cavidade do olho, o nariz, a boca e o queixo. Foto invertida de Machu Picchu, no Peru.

No contraste entre as luzes e sombras nas montanhas, é possível ver um rosto perfeito, com a cavidade do olho, o nariz, a boca e o queixo. Foto invertida de Machu Picchu, no Peru. Créditos: Gisele Rocha

Sim, isso mesmo, o perfil perfeito de um Inca, com a cavidade dos olhos, o nariz, a boca e o queixo pontudo. A visão fica mais evidente de acordo com a posição do sol, para que haja esse jogo de sombras. Explicação para isso não existe, só digo que eu não acredito em coincidências. Este é apenas um dos muitos segredos de Machu Picchu.

Conhecendo Machu Picchu

A área de Machu Picchu foi dividida em três zonas, a agrícola, a urbana e a sagrada. Ambas construídas com técnicas assustadoramente avançadas para a época.

Zona agrícola

A zona de cultivo se situa ao sul de Machu Picchu e caracteriza-se pelos terraços que formam uma estrutura parecida com escadarias. Eles foram construídos com uma camada de solo, somada a uma camada de areia, seguida por uma camada de cascalho e pedras. Essas estruturas foram montadas para ajudar na drenagem e filtragem da água, de forma que elas não se acumulassem, prejudicando as plantações e a própria construção em si.

Estruturas semelhantes também foram erguidas em torno da montanha e empregadas no escoamento das águas das chuvas que, levando em consideração a posição geográfica de Machu Picchu, eram constantes. Assim, eles evitavam o desmoronamento do solo. Não havia alagamento, nem falta d’água, muito menos desabamento. Parece que em pleno 2015 a gente ainda tem muito o que aprender sobre infraestrutura, né?

Roca Ceremonial ou Roca Funeraria

A princípio, pensei que ela estivesse localizada na zona sagrada, mas não. A Pedra Cerimonial está na área agrícola e, segundo os pesquisadores, era utilizada no processo de mumificação, onde os cadáveres eram dissecados e posteriormente embalsamados, recebendo as energias sagradas. Há indícios de que ela era usada também em estudos astrológicos, assim como a pedra Intihuatana.

Zona urbana

É a área ocupada pelos templos e pelas moradias, que eram separadas em diferentes setores, de acordo com a função e a “classe” de cada grupo. É possível diferenciar o nível de cada construção não só pela localização, mas também pelo acabamento das pedras usadas para erguê-las. Quanto mais pomposa a moradia, mais polidas eram as pedras.

Outra coisa que me chamou atenção foi o fato de eles adaptarem suas construções aos recursos naturais, ao invés de tentar mudar o curso deles ou simplesmente eliminá-los. Mais uma vez, temos muito a evoluir no que diz respeito à sustentabilidade.

Antes de citar outros pontos importantes da cidadela, vale revelar mais um dos segredos de Machu Picchu, dessa vez, referentes à arquitetura incaica.

Construções resistentes a terremotos

Os Incas souberam contornar as dificuldades impostas pela natureza como ninguém. Além de adaptarem suas construções aos recursos naturais, desenvolveram formas para que as edificações resistissem aos terremotos, o que não aconteceu com as obras dos europeus. Lembra da Catedral e do Convento de Santo Domingo, em Cusco? A parte que foi construída pelos Incas permanece intacta, enquanto aquela que foi construída pelos colonizadores foi parcialmente destruída pelos tremores que ocorreram durante os anos.

Como eles faziam isso??

Você já deve saber que os Incas não usavam cimento ou qualquer material para juntar os blocos de pedra. E como eles permaneciam intactos? Eram montados como quebra-cabeça, com um bloco se encaixando ao outro.

Além disso, os blocos não eram retos como os tijolos que conhecemos hoje e as paredes eram levemente inclinadas, assim como as janelas, que tinham formato trapezoidal. Esse tipo de estrutura distribui o peso das construções e dissipa o impacto dos terremotos.

Intipunku – Portada del Sol

Se você, assim como eu, optou por não fazer a Trilha Inca, entrará na cidadela pela porta mais central. Entretanto, quem caminhou por três dias terá a primeira vista de Machu Picchu através da Intipunku, ou Porta do Sol.

Isso não quer dizer que quem optou por ir da forma mais fácil não possa desfrutar dessa vista incrível. Se você tiver um pouquinho de disposição, poderá caminhar por uma hora até lá e conhecer a principal entrada utilizada pelos andinos. Ali você terá um panorama privilegiado de Machu Picchu e da montanha Huayna Picchu.

Intipunku ou Porta do Sol era a principal entrada de Machu Piccha e é o ponto de chegada para aqueles que fizeram a Trilha Inca

Intipunku ou Porta do Sol era a principal entrada de Machu Piccha e é o ponto de chegada para aqueles que fizeram a Trilha Inca. Créditos: Shubhika Bharathwaj / Fonte: Flickr

Continuando o passeio por Machu Picchu, após conhecermos um pouco sobre a estrutura das construções, passamos pelos templos.

Zona sagrada

Aqui estão reunidos os templos, cada um com sua finalidade específica. A moradia do Imperador também estava localizada nesse setor e, apesar de ele ser muito semelhante às casas dos outros habitantes, era a única com a própria fonte de água e o próprio “banheiro” (entende-se por banheiro um buraco aberto no chão).

Plaza Principal

A praça principal era o local destinado às principais celebrações. A guia nos contou um caso curioso e que me fez pensar que muitas vezes a própria população e os próprios líderes políticos não conseguem visualizar a importância histórica do seu patrimônio. Ela disse que no final dos anos 1970 o rei da Espanha quis fazer uma visita a Machu Picchu e o helicóptero dele parou bem ali, na Plaza Principal. Só que para isso eles tiveram de remover uma pedra muito simbólica, que nunca mais foi posta no seu devido lugar.

Outras pessoas posaram de helicóptero ali, danificando as estruturas internas que levavam água às fontes e espantando os animais. Hoje só as lhamas podem pisar ali, para que o local não sofra prejuízos ainda maiores e desde 2010 pousos de helicópteros foram terminantemente proibidos.

Ao fundo, a Plaza Principal de Machu Picchu, onde só as lhamas podem pisar

Ao fundo, a Plaza Principal de Machu Picchu, onde só as lhamas podem pisar. Créditos: Laura Almeida

Templo de las Tres Ventanas

Está localizado próximo à praça principal. Cada janela simboliza um dos níveis adorados pelo povo Inca, sendo eles: o céu (vida espiritual), a terra (vida material) e o subsolo (vida interior). Das janelas é possível observar a montanha Putucusi, um dos Apus, ou montanhas sagradas localizadas ao redor de Machu Picchu.

O templo de las Tres Ventanas representa o céu (vida espiritual, simbolizado pelo condor), a terra (vida terrena, simbolizado pelo puma) e o subsolo (vida interior, simbolizado pela serpente)

O templo de las Tres Ventanas representa o céu (vida espiritual, simbolizado pelo condor), a terra (vida terrena, simbolizado pelo puma) e o subsolo (vida interior, simbolizado pela serpente). Créditos: Marie Thérèse Hébert & Jean Robert Thibault. Modificado de: Flickr

Observatório astronômico Intihuatana

Em quíchua, “Intiwatana” quer dizer “pedra para amarrar o sol”. Ela servia como relógio solar e também era utilizada para marcação do tempo e controle dos ciclos para as atividades agrícolas. Olhando de frente, ela segue o formato das rochas ao fundo, Yanatin e Putucusi.

Em 2000, durante as filmagens de um comercial da cerveja Cusqueña um canto da pedra foi danificado. Hoje em dia é proibido tocá-la, mas os turistas têm o hábito de estender as mãos bem perto de sua superfície a fim de captar as boas energias que dela emanam.

Observatório astronômico Intihuatana, em Machu Picchu, no Peru

Observatório astronômico Intihuatana, em Machu Picchu, no Peru. Créditos: Gisele Rocha

Grupo de las Tres Portadas

Pertencem a um conjunto arquitetônico com três portas milimetricamente alinhadas e de formato idêntico que estão viradas para a Praça Principal.

Intipunku ou Porta do Sol era a principal entrada de Machu Piccha e é o ponto de chegada para aqueles que fizeram a Trilha Inca

Intipunku ou Porta do Sol era a principal entrada de Machu Piccha e é o ponto de chegada para aqueles que fizeram a Trilha Inca. Créditos: Marie Thérèse Hébert & Jean Robert Thibault / Fonte: Flickr

Templo del Condor

Quando paramos no Templo do Condor, nossa guia explicou de forma bastante rápida e direta sobre a Trilogia Inca, formada pelo Condor, o Puma e a Serpente. O Condor, um pássaro sagrado para os Incas, tem o papel de mensageiro entre o céu e a terra, sendo o responsável por conduzir os espíritos até Hana Pacha (o equivalente ao Paraíso para os cristãos). A ele foi dedicado o templo, onde se vê as rochas maiores formando as asas da ave e no chão o corpo e o bico. É muito difícil tirar uma foto ali que enquadre toda a formação.

Bom, o Puma representa a força da terra e Cusco tem o formato desse mamífero (forçando bem a barra, pois a cidade teve um crescimento irregular) e imaginando muito, é possível enxergar um puma na parte frontal de Huayna Picchu (na hora a minha imaginação colaborou, mas agora não consigo achar nas fotos).

O terceiro animal sagrado é a serpente, simbolizando a sabedoria. Em Machu Picchu, ela é simbolizada pelo Rio Urubamba. Ao contrário de nós, os Incas não jogavam os seus excrementos na água, pois ela também era sagrada para eles.

Acllahuasi

Era o conjunto de casas das mulheres escolhidas, também conhecidas pela alcunha de Virgens do Sol. Elas preparavam os alimentos, faziam as roupas dos nobres e cuidavam das cerimônias sagradas, sendo que algumas delas eram sacrificadas como oferendas ao Deus Sol. Ali constam algumas rochas moldadas, supostamente usadas para moer grãos. Outros acreditam que essas rochas serviam para observação das estrelas que refletiam na água empoçada. Este lugar não está aberto à visitação, mas pode ser visto de alguns pontos do sítio.

Acllahuasi é o conjunto habitacional onde moravam as mulheres escolhidas para tecer as roupas do imperador, preparar os alimentos e cuidar das cerimônias sagradas. Elas também eram chamadas de "Virgens do Sol". Em Machu Picchu, Peru.

Acllahuasi é o conjunto habitacional onde moravam as mulheres escolhidas para tecer as roupas do imperador, preparar os alimentos e cuidar das cerimônias sagradas. Elas também eram chamadas de “Virgens do Sol”. Em Machu Picchu, Peru. Créditos: Gisele Rocha

Se você está gostando do artigo até o momento, que tal curtir nossa página no Facebook?

Templo del Sol

Também conhecido como Torreón, esta é a única construção em formato semicircular em Machu Picchu, pois acompanha o formato da rocha sobre a qual foi edificada. Neste mesmo complexo estão uma fonte d’água e três paredes para cultuar o vento e uma construção destinada especialmente ao culto à Pachamama (Mãe Terra).

O Templo do Sol, ou é a única construção circular em Machu Picchu, no Peru.

O Templo do Sol, ou é a única construção circular em Machu Picchu, no Peru. Créditos: Laura Almeida

Abaixo do Templo del Sol está o Mausoleo Real onde, segundo pesquisadores, repousavam os restos mortais dos líderes do povo. Entre eles os do imperador Pachacuti (grafado em espanhol como Pachacútec), cuja múmia ninguém sabe onde foi parar. Este é um dos segredos de Machu Picchu que não foram revelados.

Em todos os anos, no dia 21 de junho, solstício de inverno, este templo fica lotado de pessoas que querem ver os raios solarem incidindo diretamente na pedra central.

Agora que você já leu um pouco sobre o que te espera na rota principal, eis mais um dos segredos de Machu Picchu:

A Ponte Inca

Você pagou 64 soles pelo seu ingresso (ou 32, se você for estudante) e já acha que valeu a pena, correto? Esse investimento vale ainda mais quando você descobre que após o passeio pelas áreas repletas de turistas seu bilhete lhe permite conhecer gratuitamente um lugar de grande importância estratégica para a defesa de Machu Picchu, uma das rotas de fuga construída pelos Incas.

Para chegar até lá, você vai precisar passar por uma guarita e escrever o seu nome completo, bem como a sua nacionalidade e a hora em que entrou. Caso você demore, eles vão te procurar. Existe um único caminho para chegar até a ponte, então não existe o risco de se perder. Entretanto, ela é muito estreita e se você tem vertigem, é recomendável que você só ande até determinado ponto. Esse foi o meu caso, só de imaginar a altura eu começo a bambear, então não me arrisquei.

De qualquer forma, acho que até o ponto que eu fui deu para ter a noção de como a rota de fuga funcionava. Ela beira o penhasco e só dá para passar uma pessoa por vez. Chegando em um certo lugar, existe uma ponte de madeira, que seria removida e jogada fora, inviabilizando assim a travessia dos invasores.

Vale lembrar que não é permitido cruzar a ponte, apenas ir até ela. Se eu fosse você, nem cogitaria tentar cruzar uma ponte de madeira que provavelmente já está podre. Qualquer passo em falso é morte na certa!

Agora, o mais exclusivo entre todos os segredos de Machu Picchu.

O templo secreto

Se você comprou o bilhete que dá direito a subir pela montanha Huayna Picchu (152 soles em outubro de 2015), não se limite a apenas tirar fotos de ângulos diferentes. Caminhando pelo dorso da montanha, você encontrará um dos templos mais interessantes do complexo de Machu Picchu. Não, não é a passagem secreta que sai em São Thomé das Letras, é o Templo de la Luna. Ele foi construído em uma caverna e, segundo pesquisadores, era usado essencialmente para cerimônias funerárias. Especula-se que as tumbas, verdadeiros tesouros arqueológicos, foram retiradas do local e vendidas.

O percurso demora mais ou menos 3 horas para ser feito por escadas bem estreitas. É recomendável ir com um guia que conheça o lugar e esteja preparado para te ajudar. Como é um lugar pouco frequentado por turistas é difícil de achar informações em português sobre lá.

Tenha em mente que os ingressos para Huayna Picchu devem ser comprados com antecedência, pois são permitidas apenas 400 entradas por dia, divididas em dois turnos, um às 7h e outro às 10h.

Templo de la Luna fica escondido na montanha Huayna Picchu e é um dos grandes segredos de Machu Picchu, no Peru. Créditos: Martin St-Amant / Fonte: Wikimedia Commons

Templo de la Luna fica escondido na montanha Huayna Picchu e é um dos grandes segredos de Machu Picchu, no Peru. Créditos: Martin St-Amant / Fonte: Wikimedia Commons

Por fim, o top secret!

O museu escondido

Poucos sabem, mas existe um museu que fica aos pés de Machu Picchu que reúne diversas peças em cerâmica, pedra e metal que foram encontradas na cidadela durante as pesquisas dos historiadores. Além disso, o Museu Manuel Chávez Ballón reúne mapas e vídeos que contextualizam a histórica do povo e da cidade que está no imaginário de viajantes do mundo inteiro.

A caminhada até lá dura cerca de 25 minutos e é bem tranquila. Não há ônibus que passe por ali. O ingresso deve ser comprado juntamente ao de Machu Picchu, seja em alguma agência do Peru ou em sites autorizados. Funciona das 10h às 17h.

Acabei de me lembrar de um detalhe muito importante de Machu Picchu que não queria deixar passar, então vai aí um bônus. O segredo das ajudantes incansáveis.

As lhamas de Machu Picchu

Como eu poderia me esquecer das moradoras mais simpáticas e fotogênicas de Machu Picchu? Elas adoram os turistas e parece que já nascem sabendo posar para as câmeras. As lhamas já habitavam o espaço desde a época dos Incas, que usavam o estrume como fertilizantes para cultivar milho. Na década de 1970 levaram-nas de volta para lá e hoje algumas dezenas moram ali, todas elas com uma etiqueta amarela para controle veterinário.

Assim como nós cuidamos da nossa casa, elas cuidam de Machu Picchu. Ficam comendo grama e assim ajudam a mantê-la aparada. Além dos matinhos, as lhamas adoram lanche de turistas, principalmente frutas. Se você der mole, elas vão pegar a sua comida sem qualquer cerimônia.

Seja legal com elas ou, do contrário, elas vão cuspir em você. É o que dizem.

 ¡Hola! ¿Qué Tal?, diz a lhama em Machu Picchu. Créditos: Paul Silva / Fonte: Flickr

¡Hola! ¿Qué Tal?, diz a lhama em Machu Picchu. Créditos: Paul Silva / Fonte: Flickr

Onde se hospedar próximo a Machu Picchu

A cidade mais próxima a Machu Picchu é Aguas Calientes. É lá que os aventureiros pernoitam antes do grande dia de conhecer a Cidade Perdida dos Incas.

A minha sugestão para quem quer pagar pouco e ficar em um hotel bem localizado é o Andino Hotel. Estão a poucos passos da estação e do ponto de onde saem os microônibus para Machu Picchu, além disso, oferecem café da manhã gratuito.

E aí? O que acharam do guia? Caso queiram mais detalhes sobre algum tópico ou se quiserem esclarecer alguma dúvida, terei o maior prazer em fazê-lo. O espaço para comentários está aí para isso.

Leia mais sobre Machu Picchu

Prepare-se para sua viagem

Andino Hotel

Calle Wiñaywayna urb las orquideas M-c L Lt 16

Descrição obtida de Booking

Não há descrição disponível.

Quando você utiliza o botão abaixo para procurar sua hospedagem, o Viajei Bonito ganha uma pequena comissão e você não paga nada a mais por isso. É uma forma de ajudar nosso blog a continuar vivo, trazendo informações valiosas para sua viagem.

Verificar disponibilidade

Em Machu Picchu, nossa sugestão de hospedagem é o Andino Hotel. Você pode procurar outros hotéis através do Booking, ou então se sua preferência é por albergues, acesse o Hostel World.

Vai alugar um carro? Na Rentcars você compara preços em diversas locadoras no mundo todo com muita segurança, sem taxas no cartão de crédito, 5% de desconto no boleto, parcelamento em até 12 vezes e isenção de IOF.

Veja o motivo pelo qual recomendamos o seguro viagem para quem viaja pela América do Sul. Você pode fazer sua cotação clicando aqui e utilizando o cupom de desconto VIAJEIBONITO5. Aprenda a contratar um seguro viagem e conheça também o seguro viagem que vale por um ano inteiro.

Com base em cotações atualizadas do Yahoo Finance a cada duas horas, a proporção entre o Novo sol peruano e o Real é de 1 PEN para 0,9743 BRL. Você pode simular o valor que deseja converter com os preços das casas de câmbio clicando aqui.

Gisele Rocha

Formada em Comunicação Social pela UFJF. Andou meio mundo tentando descobrir o que queria fazer, até descobrir que queria mesmo era andar pelo mundo. Créditos da imagem de capa: Gisele Rocha
  • Carol Cirino

    Massa, realmente gostaria de ter lido as dicas antes hahahah. Como o novo sole valorizou um bocado, acho que com 20 soles só se for fazer o passeio guiado no fim da manhã ou mesmo à tarde, o que não é praticável para quem vai subir uma das montanhas. E mais, sobre como chegar: desde Cusco, esquema 100% turístico, via trem por Poroy (mais caro, mas incrível), esquema econômico, via trem por Ollantaytambo (casado a um passeio pelo Vale Sagrado Sul, via agência) ou esquema roots, via ônibus até Santa Cruz e trilha de 8km, até Águas Calientes. Outra dica, pernoite por lá, Águas Calientes, conhecida como Machu Picchu Pueblo. Antes e/ou depois, se numa viagem de mais dias. Ah, vale super subir uma das montanhas (o que requer planejamento para comprar ingresso antecipado).

  • Gisele Rocha

    Oi, Carol! Que bom que vc gostou das curiosidades. Bom, quando eu fui, 1 real equivalia a 90 centavos de soles, quase 1 para 1. Hoje dá aproximadamente 23 reais e ainda acho que será uma quantia bem gasta. Como você disse, vale a pena chegar bem cedinho, ou até mesmo pensar em fazer a visita em dois dias, já que o corpo não aguenta fazer o passeio pela cidadela e ainda subir as montanhas. Fazer isso numa altitude de 2.430m é extremamente desgastante.
    Adorei as suas dicas de como chegar lá. Como o artigo já estava imenso, vou fazer outro só com as dicas de como chegar, onde e quanto tempo ficar, quando ir e quanto gastar. Obrigada pelo seu comentário!

  • Carol Cirino

    Isso, em agosto 1 real lá equivalia a aproximadamente 1,25 sole. Pedro e eu pagamos 50 soles o casal, 25 cada, ou seja, pouco mais de 30 reais 😕

    Realmente dois dias no parque é tipo suprassumo da viagem ao Peru hehehe. O blog tá muito bom, parabéns.

  • Marcelo Parra

    Post sensacional! Me fez reviver o passeio com uma riqueza de detalhes absurda! E, o melhor de tudo foi que fugiu das “mesmices” à respeito de Machupicchu. PARABÉNS!

  • Gisele Rocha

    Marcelo, seu post me fez ganhar o dia! Obrigada pelo comentário gentil. 🙂

  • FARINHA DE GUERRA

    Planejo uma viagem a Macho Picchu, a cidade perdida dos Incas. Maravilha de sítio arqueológico que mexe com a nossa imaginação.

  • Gisele Rocha

    Não deixe de ir! É um lugar muito curioso mesmo. Vamos colocar mais dicas sobre lá, então continue acompanhando o blog. Um abraço!!

  • David Samuel Santos

    Lindíssimo! Estou sem palavras. Quero ir aí 🙂

  • Gisele Rocha

    Vá, David! É uma experiência incrível! Tem outras cidades espetaculares por perto e o custo da viagem é baixo. Coloque na sua lista.
    Um abraço e obrigada pelo comentário.

  • Erick Tedesco

    Gisele, planejo ir à Cusco e Machu picchu em maio de 2017, mas os valores ainda me tiram o sono. Quais são os gastos até chegar ao parque?

  • Gisele Rocha

    Ei, Erick. Existem muitas formas de ir a Machu Picchu e os preços vão de 85 reais (pela hidrelétrica) até o infinito. Depois dê uma olhada nesse post aqui: http://viajeibonito.com.br/conheca-todas-as-formas-de-chegar-machu-picchu/

    Sobre o ingresso, o preço para 2017 é 152 soles (150 reais), mas se você tiver carteirinha de estudante internacional dá para conseguir um pequeno desconto que no momento eu não sei de quanto é.
    A hospedagem em Águas Calientes, cidade mais próxima a Machu Picchu, sai em torno de 55 reais, mas é necessário reservar com antecedência, senão só sobram os hostels caros.

    Aqui no Viajei Bonito nós temos uma ferramenta de busca por hospedagem. É através dessas comissões que a gente consegue manter o blog e vc não paga nada a mais reservando com a gente.

    Espero que tenha esclarecido as suas dúvidas. Qualquer coisa é só chamar. Abraços!

  • Raquel Ramos

    Parabéns pelo post!!!