Estamos resolvendo ou criando problemas?

Com o advento da internet (nossa, como eu amo essa expressão) tem sido difícil acompanhar a evolução que se espalha por praticamente todos os nossos dispositivos eletrônicos, em especial, nossos smartphones.

Sério, pare pra pensar em algo que poderia ser inventado e que facilitaria sua vida. Agora procure no Google, provavelmente já existe um app pra isso.

Não há como negar, a gama enorme de aplicativos para celular coloca uma infinidade de robozinhos pra trabalhar pra gente. E isso não se restringe ao campo da automação. Não estou limitando esses robozinhos para tarefas corriqueiras ou cálculos matemáticos condensados em planilhas de Excel que economizam horas e mais horas dos seres humanos: quero destacar que esses robozinhos têm pensado e vivido por nós.

Que tal uma contextualização? Bom, somos um blog de viagens e o que mais gostamos de fazer é viajar. Uma simples viagem de carro exige conhecer o caminho e chegar aos pontos turísticos por conta própria, muitas vezes sem a ajuda de guias ou agências. A música também é sempre bem-vinda, uma boa câmera fotográfica é quase um item obrigatório.

Pra tudo isso já existe um app. O GPS hoje já cobre praticamente qualquer caminho pavimentado e dependendo da localização até as estradas de chão já foram mapeadas. O Spotify ajuda na montagem das playlists e, obviamente, o celular faz o papel da câmera fotográfica – salvos os casos onde você precisa de uma câmera profissional. Aliás, tem muito aparelho aí candidato a substituí-las um dia.

Esses aplicativos resolvem nossos problemas? Ô se resolvem! Com apenas alguns minutos você prepara tudo, pendura o aparelho na saída de ar condicionado do carro e pega a estrada. Alguns aplicativos ainda alertam você sempre que estiver próximo a radares! Quanta eficiência!

Quando paro pra pensar sobre toda essa modernidade fica claro pra mim que estamos caminhando na direção de resolver todos os nossos problemas com algoritmos. Enquanto dirijo observo a quantidade de vezes que consulto o celular pra saber se ainda estou na rota certa. E a atenção que eu tinha ao observar cada canto da pista pra saber se um radar se aproxima acabou. Me vejo então dirigindo sob as ordens de um robô: vire à direita, vire à esquerda, radar reportado à frente, desacelere, trânsito lento em 10 quilômetros, reajustando a rota, pare no posto Ipiranga pra comprar passagens aéreas e máquinas agrícolas.

E olha que isso é apenas um dentre os muitos aplicativos que usamos em nossas viagens.

Usamos muito o aplicativo do TripAdvisor que nos mostra quais atrações turísticas visitar nas cidades pelas quais passamos. Inclusive já indicamos o app em artigos passados. E com isso deixamos muitas vezes de aproveitar as atrações fora da mainstream que, obviamente, estão mais vazias e talvez sejam mais interessantes do que as indicadas pelo aplicativo. Mas ele virou nosso personal “roteirista”… mais um dentre os muitos robozinhos que têm nos acompanhado nas viagens.

Há alguns dias assisti à palestra da startup brasileira que desenvolveu um aplicativo capaz de traduzir cardápios de vários países para o português e com isso permitir que turistas do mundo todo saibam se virar em nossos restaurantes.

Achei a ideia fantástica. Ora, quem chega por aqui não precisa mais se contorcer na hora de explicar aos garçons o que querem comer. Mas, peraí, isso era realmente um problema? Me lembro que durante meu mochilão pelo leste europeu visitei uma cidade na República Tcheca onde ninguém falava inglês e toda ida ao restaurante era uma novela pra descobrir do que se tratavam os pratos. Mas no geral eu ria, o garçom ria, chegavam pratos diferentes do que eu imaginava e o que não faltam são histórias.

É muito raro hoje em dia se perder com o GPS. Ou então pegar um caminho errado que resulta num caso daqueles que fazem todo mundo rir na roda de amigos. Ninguém mais para o carro no primeiro posto de gasolina pra pegar informações e de quebra ouvir recomendações de atrações próximas que não estão presentes no aplicativo do TripAdvisor.

Pouquíssimas pessoas “se dão ao luxo” de atravessar a cidade por conta própria: o Uber e os aplicativos de táxi certificam-se de mandar um veículo exatamente onde você está. O Google Maps também ajuda, indicando exatamente as trocas de ônibus e estações de metrô.

E as desculpas que temos pra usar tanto aplicativo são muitas: economizam tempo, nos poupam energia para coisas que não gostamos de fazer, nos trazem segurança, e por aí vai. Digo a você: poupam tempo uma ova!

Hoje em dia ninguém poupa tempo. Vamos supor que você gaste duas horas por semana com seu controle financeiro pessoal. Duas horas em um mundo corrido como o nosso são preciosas! Então de repente você é apresentado a um aplicativo que se conecta ao seu banco, às operadoras de cartão de crédito e que realiza todos os pagamentos de boleto e contas automaticamente, gerando no fim da semana um relatório de despesas. UAU! Agora eu tenho duas horas por semana para procrastinar! Não! Você vai procurar mais tarefas para ocupar essas duas horas. A cada aplicativo você se torna mais produtivo.

Quem gasta uma hora por dia cozinhando pode facilmente ganhar tempo com o iFood. Quem “perdia” duas horas por semana frequentando cursos de idiomas pode praticar no Duolingo sentado no vaso. Quem antes saía de casa pra procurar filmes na locadora pode economizar tempo escolhendo não um, mas vários títulos pelo Netflix.

Acontece que quanto mais robôs trabalham pra gente, mais robôs precisam ser gerenciados. Quanto mais tarefas você consegue cumprir no mesmo espaço de tempo, mais multitarefa precisa ser a sua mente e com uma capacidade incrível de gerenciar tanta coisa trabalhando pra você. Nada pode ser tão inteligente e eficiente quanto o raciocínio humano, então de tempos em tempos você precisará configurar e administrar seus robozinhos.

A pergunta que me faço é se essa estrutura é realmente sustentável. Hoje em dia já existem clínicas para tratamento de dependentes da internet. Ora, estamos cada vez mais nos distanciando das pequenas coisas, das coisas que os humanos costumavam fazer, das coisas manuais, de fazer apenas uma coisa por vez e fazer direito. Estamos cada vez mais perdendo o foco. Estamos substituindo instrumentos musicais, jogos de tabuleiro, cinema e uma infinidade de objetos e atividades pela telinha do celular. Chega a me surpreender como ainda não tem tanta gente surtando por aí.

Sempre que vejo empresas vendendo a ideia de que estão resolvendo um “grande problema das pessoas” eu penso na possibilidade de estarem ajudando a criar outros. Precisamos viver mais e em certos momentos aposentar alguns robozinhos.

Um grande abraço e até o próximo artigo!

Estamos resolvendo ou criando problemas?

Prepare-se para viajar

Ícone seguro viagem

Use o cupom CRIANCA para adquirir o seguro viagem com até 20% de desconto, pagando via PIX ou boleto bancário. Além da cobertura médico-hospitalar, você também estará protegido em casos de cancelamento de viagem, extravio ou danos à bagagem.

Ícone hotel

Reserve hospedagem com antecedência através do Booking e Hostelworld para garantir preços promocionais. Parcelamento sem juros no cartão de crédito e possibilidade de cancelamento reembolsável.

Garanta internet em mais de 210 países utilizando o chip da Easysim4u, que nós já testamos na Europa e do norte ao extremo sul das Américas. Use o cupom SPRING e garanta 50% de desconto.

Compre passagens aéreas com até 35% de desconto usando o comparador de preços ou utilize a ferramenta quando viajar, um calendário que mostra as tarifas mais baixas para o destino que você escolher.

Tenha liberdade para ir aonde quiser alugando um carro através da Rentcars, que atua em parceria com locadoras renomadas do mundo todo. Parcele sem IOF em até 12x ou cancele sem custos.

Pague menos comprando suas passagens de ônibus com a ClickBus, a empresa líder em vendas online de passagens rodoviárias, trabalhando em parceria com mais de 140 empresas em mais de 4 mil destinos!

Faça passeios guiados em qualquer lugar do mundo e fure a fila comprando ingressos com antecedência através da GetYourGuide. Cancele sua reserva até 24 horas antes do início de sua atividade e obtenha reembolso integral.

Adriano Castro

Formado em Ciência da Computação pela UFJF, trabalhou durante 10 anos como analista de sistemas até chutar o balde e tocar a vida como freelancer, carregando seus projetos para onde quer que vá.

20 pensou em “Estamos resolvendo ou criando problemas?

  1. Pode ser contraditório mas eu por cá gosto de me controlar em tudo o que é tecnologia, acho que sim perdemos o foco, passamos a olhar para um ecrã com uma grande janela mesmo à nossa frente, acho isso medonho com tudo de bom que existe na tecnologia. Abraço excelente reflexão

  2. Confesso que não sou muito adepta de tecnologia a mais! Só ha pouco tempo comprei o meu primeiro smartphone, tentei resistir ao máximo :). Ainda gosto de me desligar dele muito tempo e mantê-lo desligado quando viajo!

    1. Faz muito bem, Patricia. É de certa forma ruim se desligar completamente, porque ficar atrasado com relação à tecnologia também tem suas consequências. Entretanto saber balancear as coisas é muito importante! Obrigado pelo comentário! =)

  3. Excelente reflexão. Eu adoro um bom mapa, estar perdida, viajar sem celular e aproveitar tudo o que o mundo tem para me oferecer. Tecnologias não é a minha praia. Não me faz sentir divertida.

  4. Realmente é uma coisa a se pensar, ela nos ajuda muito já que viajamos bastante, são muitas horas economizadas em pesquisa, lembro me bem no começo das minhas viagens que tinha que pesquisar tudo em revistas, e pra marcar um hotel ou ônibus tinha que ligar pra lá e marcar tudo, isso
    Sim que era aventura! Hoje tudo é muito fácil!

  5. Este é o tipo de texto que deveria ser partilhado até à exaustão. A forma “romântica” de viajar está a desaparecer. Deixa de haver espaço para a surpresa e deslumbre. Perdermo-nos, literalmente, é das melhores experiências em viagem 🙂 A forma de explorar o Mundo certamente que está a ficar diferente e, ao que vejo, bem menos recompensadora. Depois, há ainda o pessoal que passa mais tempo nas ‘selfies’ e a alimentar o fb do que a usufruir, verdadeira e intensamente, dos lugares. Opções 🙂 Parabéns pelo alerta!

  6. De fato nem tudo aquilo que parece prático é a sempre a melhor maneira de fazer todas as coisas. Nos caminhos mais longos e nas estradas perdidas também encontramos novos conhecimentos e aprendizados não esperados, igualmente importantes para nossas jornadas. Se atalhamos tudo muitas vezes não damos muita chance para novas descobertas.

  7. Confesso que não vivo sem meu celular quando estou na rua, mas em casa eu esqueço dele. Não sou viciada em aplicativos, mas uso quando necessário. A internet facilita minha vida pois me põe mais perto da família e amigos que estão do outro lado do oceano. Mas também tira minha privacidade quando quero ficar quieta e fica todo mundo querendo saber como estou porque houve um atentado em Londres! Como tudo na vida, devemos usar sem exagerar para não se tornar um problema!

  8. Boa reflexão e, como quase tudo na vida, a resposta está na moderação e bom senso. Como se fosse fácil, não é? Tenho 2 filhas e vivo em um constante embate para provar a elas que o mundo real é mais divertido que o virtual…

    Clau
    @aspasseadeiras

  9. Eu sou um pouco avessa a essa modernidade toda, não tenho muitos apps e sou adepta do bom e Velho mapa de papel! Durante essa minha viagem tenho me perdido bastante nas minhas andanças diárias, o que é muito bom, mas que não seria possível se estivesse com o GPS ligado, pois após um passo na direção errada já seria alertada. Sou dessas bem old school ?

    1. Nesse último final de semana mesmo visitamos uma cidade no meio da roça, onde o GPS ainda não se vira muito bem. Nos perdemos e usamos um mapa de papel, como você mesmo disse. Foi muito bom não dirigir olhando pra telinha do celular.

  10. Claro que todo o avanço da internet dá muito jeito, mas confesso que gosto mais da forma como se viajava há uns anos atrás. Sinto que foi um pouco de romantismo que se perdeu…

    1. Exatamente, Catarina. É aquela coisa: a tecnologia vem e nos ajuda de diversas formas. No começo temos a impressão de que estamos sendo ajudados, mas à medida que pensamos na forma como fazíamos as coisas percebemos que talvez nem precisássemos tanto assim de ajuda…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo