Camden Town em dia de homenagens a Amy Winehouse

Camden Town é um bairro bastante peculiar localizado na zona norte de Londres, marcado pela multiculturalidade e constantemente associado à cultura punk, embora seja possível encontrar os tipos mais exóticos de pessoas. Tem de tudo: gente de cabelo colorido, com moicano, mulher com cabelo raspado e tatuagem na cabeça, homem com roupa de mulher, trajes típicos do século XIX, garotas desfilando de jeans e sutiã, jaquetas com franjas, sandálias de madeira, coturnos, muitos piercings, muito couro, vinil, plástico… enfim, para quem gosta de moda assim como eu, este lugar é um prato cheio.

Não foi difícil chegar até lá. Peguei o metrô Northern Line (da linha preta) e tempos depois desci na estação de Camden Town. Antes de mais nada, é bom avisar que esta estação costuma fechar durante os finais de semana, quando um amontoado de gente invade aquela área para garimpar as feirinhas exclusivas dos sábados e domingos. Mas dá pra descer uma estação antes e ir a pé, é tranquilo.

E por falar em feirinhas, os mercados de rua são muito frequentados por quem quer se vestir de forma autêntica sem desembolsar muita grana. É o exemplo do Camden Lock, o shopping mais diversificado da Terra da Rainha. Lá você também consegue encontrar discos raros, livros, acessórios e até móveis. Os mesmos souvenires vendidos nos pontos turísticos mais badalados podem ser encontrados ali por um terço do valor. Isso sem deixar de falar das comidas típicas provenientes dos quatro cantos do mundo. Tem desde os famosos Fish & Chips até comida tailandesa, vietnamita, italiana e, pasmem, até coxinha de frango com cream cheese eu achei! E tudo variando entre £1,50 e £7, então aproveite para comer barato e economizar. Mas vá cedo, pois o horário de funcionamento se encerra às 18h.

Camden Lock e as suas milhares de lojinhas. Distrito de Camden Town, Londres, Inglaterra
Camden Lock e as suas milhares de lojinhas. Distrito de Camden Town, Londres, Inglaterra. Créditos: James London

Depois de bater perna pelos mercados de Camden Town, parti para a segunda parte do passeio. Enquanto tomava um pint no meio do caminho, fiquei pensando com os meus botões que aquele bairro agitado, com música rolando o tempo todo, por onde circulavam pessoas de todos os estilos também abrigou autores consagradíssimos, como George Orwell (que escreveu “A Revolução dos Bichos” e “1984”), Mary Shelley (autora do clássico “Frankenstein”), Dylan Thomas (poeta ídolo da beat generation), entre tantos outros. Na minha cabeça, eu só conseguia ligar aquele bairro à música e farra.

Ainda falando sobre música, depois de uma longa caminhada e de pedir informação umas 15 vezes, cheguei aonde queria. Estava em frente a casa de Amy Winehouse, no nº30 da Camden Square. A data era 23 de julho de 2012. Quando cheguei lá, me deparei com um conglomerado de fãs entoando as canções daquela que revolucionou a música soul. Nas calçadas havia flores, além de muitas fotos, velas e cartazes. Até então nem tinha me ligado que naquele dia estava completando 1 ano de seu falecimento. Embora a casa que pertenceu à cantora esteja afastada dos principais pontos turísticos de Londres, o local virou parada obrigatória para os fãs. Em menores proporções, é como a Abbey Road para os fãs dos Beatles.

No dia 14 de setembro de 2014, data em que completaria 31 anos, Amy foi eternizada através de uma estátua de bronze colocada no Stables Market em sua homenagem. Inicialmente pensaram em posicionar a escultura na varanda de uma sala de espetáculos na Roundhouse Music Venue, ideia que foi superada porque o local não era tão acessível quanto o Stables.

Se a ideia for conhecer os lugares mais frequentados pela cantora, procure pelo Hawley Arms, que era o seu favorito (e onde as vezes ela servia os garçons. Inclusive, tem uma imagem dela olhando os passantes na janela mais alta à esquerda), ou pelo The World’s End, que também era frequentado por ela e ainda guarda uma foto da jovem na parede. Para os viajantes que procuram um pub para curtir a noite em lugares menos tumultuados, mas não menos divertidos, são recomendados: Oxford Arms, Dublin Castle e Electric Ballroom.

Nesses palcos já passaram bandas consagradas como: Sex Pistols, Ramones, The Clash, Smiths, U2, Garbage, Radiohead, Red Hot Chilli Peppers, The Killers, Gogol Bordello, entre muitos outros. Se você se está decidido a passar uma noite por lá, o Viajei Bonito recomenda o Palmers Lodge.

Se souber de outras coisas bacanas para fazer em Camden Town, divida com os outros leitores aqui nos comentários.

Leia mais sobre Londres

Camden Town em dia de homenagens a Amy Winehouse

Prepare-se para viajar

Ícone seguro viagem

Use o cupom CRIANCA para adquirir o seguro viagem com até 20% de desconto, pagando via PIX ou boleto bancário. Além da cobertura médico-hospitalar, você também estará protegido em casos de cancelamento de viagem, extravio ou danos à bagagem.

Ícone hotel

Reserve hospedagem com antecedência através do Booking e Hostelworld para garantir preços promocionais. Parcelamento sem juros no cartão de crédito e possibilidade de cancelamento reembolsável.

Garanta internet em mais de 210 países utilizando o chip da Easysim4u, que nós já testamos na Europa e do norte ao extremo sul das Américas. Use o cupom SPRING e garanta 50% de desconto.

Compre passagens aéreas com até 35% de desconto usando o comparador de preços ou utilize a ferramenta quando viajar, um calendário que mostra as tarifas mais baixas para o destino que você escolher.

Tenha liberdade para ir aonde quiser alugando um carro através da Rentcars, que atua em parceria com locadoras renomadas do mundo todo. Parcele sem IOF em até 12x ou cancele sem custos.

Pague menos comprando suas passagens de ônibus com a ClickBus, a empresa líder em vendas online de passagens rodoviárias, trabalhando em parceria com mais de 140 empresas em mais de 4 mil destinos!

Faça passeios guiados em qualquer lugar do mundo e fure a fila comprando ingressos com antecedência através da GetYourGuide. Cancele sua reserva até 24 horas antes do início de sua atividade e obtenha reembolso integral.

Gisele Rocha

Formada em Comunicação Social pela UFJF. Andou meio mundo tentando descobrir o que queria fazer, até descobrir que queria mesmo era andar pelo mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo