Devo participar do mergulho com botos em Manaus?

O que te motiva a viajar? Sair da rotina, provavelmente. Talvez em um lugar que seja importante na história mundial, ou que ofereça um cenário paradisíaco, com mata virgem e animais exóticos, desde que haja alguém para resguardá-lo dos perigos inerentes à natureza selvagem. Se render boas fotos então, maravilha!

Esse pensamento bobo, acreditem, pauta a escolha dos destinos de muita gente. Nada contra registrar momentos especiais, nós também fazemos isso, mas passar toda a viagem tentando impressionar os seguidores não deveria ser a principal razão da sua viagem.

Estamos dizendo tudo isso porque a Amazônia é um destino incrível, mas bastante controverso se formos levar em conta o uso de animais para atrair turistas e gerar lucro. Deste modo, um pouco de sensatez é necessária para discernir o certo e o errado na hora de fechar um pacote ou sair pegando qualquer animal que os moradores tentam jogar no seu colo a troco de alguns reais.

A tentação de fotografar e posar com animais silvestres, como cobras, jacarés, macacos e bicho preguiça pode ser forte, mas pense que ao fazer isso você estará alimentando o turismo que explora animais e desequilibra o meio ambiente.

Boto cor de rosa sendo bem cuidado por um instrutor

Boto cor de rosa sendo bem cuidado por um instrutor. Créditos: Martha de Jong-Lantink / Fonte: Flickr

Como escolher o passeio certo

Nós do Viajei Bonito temos como princípio não interagir com nenhum animal fora do habitat natural dele. Foi esse mesmo princípio que norteou os nossos passeios pelo Pantanal e não poderia ser diferente na Amazônia. E Ter como parceira uma agência tão séria quanto a Iguana Turismo nos deixou mais tranquilos.

Decidimos participar do mergulho com os botos depois de termos certeza que eles não seriam tirados da água, ou atraídos com alguma armadilha que pudesse machucá-lo.

Existem inúmeras maneiras de identificar se uma atração turística causa o abuso de animais e para não nos desviarmos muito do objetivo do texto, convidamos você a ler um texto escrito pelo blog 360meridianos, que trata justamente sobre esse tema.

Regras para o mergulho com os botos

O mergulho com botos é feito dentro do rio, não em tanques ou reservatórios. Os animais estão em seu meio natural e são atraídos pelo guia com peixes daquelas águas. Não existe nenhum artifício além do alimento para atrai-los, então, dependendo das condições do ambiente, eles podem simplesmente não se aproximar. Falaremos sobre isso daqui a pouco.

Na entrada do flutuante existe um banner de todo tamanho com as regras a serem praticadas em prol do bem-estar dos animais e segurança dos banhistas.

Regras para o mergulho com botos na Amazônia

Regras para o mergulho com botos na Amazônia. Créditos: Gisele Rocha

O que nós observamos

Veja bem, botos são animais silvestres e ainda que o comportamento dele seja estudado por pesquisadores, nunca se sabe como ele reagirá em uma situação de desconforto. Por isso, não tente tocar o animal, não o alimente sem auxílio de um guia e evite gritaria.

Fomos colocados na água com colete salva-vidas. Antes disso, é necessário retirar qualquer produto que esteja na pele, como creme solar e repelente, para não poluir a água, muito menos causar irritação na pele e nos olhos dos animais.

O instrutor pediu silêncio e fez alguns movimentos para atrair o boto. Rapidamente o animal apareceu para comer o peixe, colocou metade do corpo para fora da água e depois foi embora.

Boto sendo alimentado pelo instrutor

Boto sendo alimentado pelo instrutor. Créditos: Mateus Stock

Nesse momento em que ele subiu à superfície, começou a histeria. Algumas mulheres e duas crianças gritavam sem parar. O guia, constrangido, pedia distância e avisava que os botos não voltariam naquelas condições. Não deu outra.

Ele tentava, jogava peixes, fazia movimentos na água, imitava os sons produzidos pelos animais e nada dos botos aparecerem. As crianças, entediadas, apostavam corrida na água, batendo os pés, esbarrando nos outros banhistas e falando alto. Os pais não chamavam atenção, então outros turistas começaram a fazê-lo. Quando o clima ficou mais calmo, outro boto se aproximou.

Mas era só o animal aparecer que as pessoas ficavam eufóricas, tentavam encostar no bicho sem autorização do guia e disputavam espaço pra ver quem conseguiria a melhor foto. Assim o instrutor encerrou o passeio e fomos embora.

Nossas conclusões

Um mergulho no Rio Negro com os botos para refrescar

Um mergulho no Rio Negro com os botos para refrescar. Créditos: Mateus Stock

O passeio é válido porque nenhum boto é retirado de seu ambiente natural, eles não vivem em cativeiro, tampouco passam por adestramento. O objetivo do passeio é nadar com os botos, não é interagir, tirar selfie, tocar, beijar ou alimentar. É apenas ficar na água, distante, observando o animal ser alimentado por quem sabe o que está fazendo.

E o mergulho no Rio Negro é delicioso, a água é morna e sem correnteza forte. Uma excelente pedida para o calor recorrente no Norte. Se você não quiser mergulhar, pode ficar no deck, que oferece uma vista deslumbrante do rio e da mata.

Onde se hospedar em Manaus

Durante a nossa passagem por Manaus tivemos a graça de ter como parceiros o Local Hostel, localizado no Centro Histórico da cidade, a 150 metros do Teatro Amazonas. As instalações são excelentes, com quartos amplos, camas confortáveis, banheiros sempre limpos, café da manhã farto e funcionários muito solícitos. Fizemos um vídeo sobre lá, mostrando todos os detalhes.

Leia mais sobre nossa viagem por Manaus, Amazonas

Devo participar do mergulho com botos em Manaus?

Prepare-se para viajar

Use o cupom FERIAS para adquirir o seguro viagem com até 20% de desconto. Além da cobertura médico-hospitalar, você também estará protegido em casos de cancelamento de viagem, extravio ou danos à bagagem.

Ícone hotel

Reserve hospedagem com antecedência através do Booking e Hostelworld para garantir preços promocionais. Parcelamento sem juros no cartão de crédito e possibilidade de cancelamento reembolsável.

Garanta internet em mais de 210 países utilizando o chip da Easysim4u, que nós já testamos na Europa e do norte ao extremo sul das Américas. Use o cupom SPRING e garanta 50% de desconto.

Economize em passagens aéreas usando o comparador de preços ou a ferramenta quando viajar, um calendário que mostra as tarifas mais baixas para o destino que você escolher.

Tenha liberdade para ir aonde quiser alugando um carro através da Rentcars, que atua em parceria com locadoras renomadas do mundo todo. Parcele sem IOF em até 12x ou cancele sem custos.

Pague menos comprando suas passagens de ônibus com a ClickBus,  a empresa líder em vendas online de passagens rodoviárias, trabalhando em parceria com mais de 140 empresas em mais de 4 mil destinos!

Faça passeios guiados em qualquer lugar do mundo e fure a fila comprando ingressos com antecedência através da GetYourGuide. Cancele sua reserva até 24 horas antes do início de sua atividade e obtenha reembolso integral.

Viajei Bonito

Somos duas pessoas apaixonadas por movimento. Para nós, cair na estrada é mais importante do que um projeto futuro de estabilidade e quaisquer oportunidades de novas viagens, por mais remotas e loucas que pareçam ser, a gente tá pegando!

5 pensou em “Devo participar do mergulho com botos em Manaus?

  1. Quando eu fui, um boto imenso quase saiu me carregando. Ele passou por entre minhas pernas e subiu para comer o peixe na mão do guia. Putz, quase morri de susto!!!

    Mas foi maneiro. Não engravidei do boto, ainda bem!

    1. Hahahahahah… nesse momento só tenho vontade de agradecer à minha professora do jardim de infância, Tia Lia, por ter me ensinado me alfabetizado. Graças a ela pude ler esse comentário estupendo!

  2. Você acabou de confirmar porque esse tipo de entretenimento não deve ser oferecido: o ser humano simplesmente não sabe se comportar e se cria stress ao animal ao ponto dele não querer aparecer, não deveria ser feito. É muito possível e viável fazer conscientização sem o povo todo na água com eles.

  3. Eu fiz este passeio ano passado, a gritaria das crianças era insuportável, várias crianças chorando de medo e os pais insistindo em levar pra tirar fotos. Eu depois de fazer me senti meio “culpada”, só olhar os botos de perto já bastava, achei que era muita gente naquela plataforma e os botos se batendo nas pessoas, meio estranho.

    1. Compartilho da sua opinião, Bruna. Já que os instrutores não conseguem controlar os turistas, seria melhor se apenas ele entrasse para alimentar os botos e a gente ficasse olhando da plataforma.
      Em Santarém, no Pará, tem um mercado que alimenta os botos diariamente e qualquer um pode ver de graça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo