O que fazer em Santana dos Montes, Minas Gerais

Viajar para Santana dos Montes é como entrar na máquina do tempo e sair no século XIX. Com exceção dos carros, nada nos remete aos tempos modernos e isso é fantástico! Se as paredes da matriz de Sant’Ana, dos casarões e das fazendas falassem, elas contariam muitas histórias da colonização portuguesa, do Ciclo do Ouro e do triste período da escravidão, mão de obra utilizada em muitas dessas construções que hoje são tombadas e protegidas pelo IEPHA (Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais) e compõem o Circuito Turístico Villas e Fazendas de Minas, que percorre nove cidades da Estrada Real.

Santana dos Montes nasceu no período da extração do ouro, tendo como a agricultura e a pecuária como principais atividades. À época, o vilarejo era chamado de “Morro do Chapéu”. De lá saíam os alimentos que abasteciam as cidades vizinhas, abarrotadas de mineradores, fazendo com que o lugar ganhasse destaque e integrasse a rotina de quem passava por ali naquela época. Não poderia ser diferente: aos poucos, grandes fazendas começaram a fazer parte daquele cenário, e a maioria com estruturas gigantes, até mesmo para abrigar viajantes.

Com o esgotamento das minas e a consequente dissipação dos mineradores, houve queda na produção e comércio de alimentos, o que fez com que a cidade “parasse no tempo”. Se parou no tempo, o que fazer em Santana dos Montes? Turistar!

Os pontos turísticos de Santana dos Montes vão encher os olhos de quem ama conhecer lugares históricos.

Como chegar a Santana dos Montes

Traçamos a rota pelo GPS e não tivemos nenhum contratempo, nenhuma indicação errada. Usando a cidade de Conselheiro Lafaiete como referência, a viagem durará cerca de 1 hora. Terminando a estrada asfaltada, logo você começará a se deparar com placas de trânsito um tanto quanto espirituosas.

Placa engraçada em Santana dos Montes, Minas Gerais

Placa engraçada em Santana dos Montes, Minas Gerais. Créditos: Adriano Castro

A Fazenda da Pedra

 Ainda na estrada a caminho de Santana dos Montes nos deparamos com uma imensa fazenda, aparentemente desativada, mas em bom estado de conservação. Tratava-se da Fazenda da Pedra, que recebeu esse nome por ter sido construída em cima de uma grande rocha com mão de obra escrava. Segundo informações, o espaço ainda guarda lembranças desse lamentável episódio da nossa história, como o tronco onde amarravam e chicoteavam os escravos.

A Fazenda da Pedra é um dos poucos exemplares da arquitetura bandeirista em Minas Gerais, mas não está aberto à visitação. Contente-se em parar o carro no acostamento e observá-la de longe.

Fazenda da Pedra em Santana dos Montes, um dos últimos exemplares da arquitetura bandeirista em Minas Gerais

Fazenda da Pedra em Santana dos Montes, um dos últimos exemplares da arquitetura bandeirista em Minas Gerais. Créditos: Gisele Rocha

Igreja de Sant’Ana e Praça da Matriz

Nossa rota no GPS estava traçada com destino à Matriz de Sant’Ana e foi por ela que começamos. A construção da igreja data de 1749, mas passou por muitas transformações ao longo dos anos. Do templo original restam apenas portas e janelas.

Apesar de simples (se comparada a outras igrejas históricas), a Matriz de Sant’Ana é bem charmosa. Segue o estilo das capelas setecentistas e tem uma singela sinaleira de madeira ao lado da construção principal. Dentro dela encontram-se imagens sacras dos séculos XVIII e XIX, além de preciosas pinturas de Francisco Xavier Carneiro, aluno de Mestre Ataíde.

Suba as escadarias que ficam ao lado da porta principal da igreja e veja tudo de um ângulo mais bonito. É um bom lugar para tirar fotos da Praça da Matriz, que com seus banquinhos e flores, ajuda a compor um gracioso cenário. Está cercado por casarões centenários, muito bem preservados por seus próprios donos, embora o conjunto paisagístico seja tombado pelo patrimônio histórico.

Solar dos Montes

O Solar dos Montes é uma das construções que embelezam a Praça da Matriz. Um casarão colonial totalmente reformado de maneira a expor parte da estrutura original, mostrando a engenharia daquela época. Hoje ele funciona como hotel, que oferece todo o conforto e modernidade dos tempos atuais sem perder a essência campestre. A casa é cuidada minuciosamente pelos próprios donos, Ana e José Maria, os mesmos que nos mostraram pacientemente cada canto do imóvel.

Fachada do Solar dos Montes, em Santana dos Montes, Minas Gerais

Fachada do Solar dos Montes, em Santana dos Montes, Minas Gerais. Créditos: Gisele Rocha

Museu Latino-Americano de Tecnologia Rural

Sabíamos que o museu fechava cedo, então preferimos conhecê-lo antes de irmos para as outras fazendas. Não foi fácil encontrá-lo, pois sua localização estava desatualizada no Google Maps e perguntando nas ruas ninguém sabia nada sobre ele. Quando encontramos já era tarde demais, mas a gente te ensina a chegar lá. Era muito mais fácil do que imaginávamos.

Descendo a rua da igreja, você encontrará uma bifurcação. A rua do museu é a que fica à direita, que é a mesma rua da Prefeitura. Se você não achá-lo, pergunte a qualquer um onde fica a Prefeitura e bem em frente você encontrará o Museu Latino-Americano de Tecnologia Rural. A fachada é essa que você vê na foto abaixo.

Museu Latino-Americano de Tecnologia Rural, em Santana dos Montes, Minas Gerais

Museu Latino-Americano de Tecnologia Rural, em Santana dos Montes, Minas Gerais. Créditos: Gisele Rocha

Pois bem, nós não conseguimos visitá-lo. Era domingo e o espaço fechava às 13h. O que sabemos é que ali dentro está guardado um rico acervo com mais de 250 itens relativos ao trabalho rural (peças de moinhos, engenhos, carroças, etc) do século XIX e início do século XX, vindos de diferentes países da América Latina, como Bolívia, Honduras, Guatemala e El Salvador. Veja se é possível fazer uma visita guiada, assim você entenderá melhor o funcionamento de cada aparelho e o passeio ficará muito mais interessante.

Horário de funcionamento: quarta de quarta a sábado, das 9h às 17h; domingo, das 9h às 13h.
Preço: R$3

Cachoeira do Santinho

Se você tiver apenas um dia de passeio, precisará se decidir entre curtir a cachoeira ou conhecer as outras opções do que fazer em Santana dos Montes. Digo isso porque a Cachoeira do Santinho fica fora da rota das fazendas e o acesso é chatinho, por estrada de chão. Não vale a pena ir só por alguns minutos e sair, o bom é ficar lá por pelo menos algumas horas, se refrescando na queda d’água apreciando o verde que a cerca.

Outro motivo para ir à Cachoeira do Santinho é visitar as ruínas de uma antiga usina hidrelétrica. Vá de bota, pois em alguns trechos o mato estava bem alto. Leve o que for beber e comer, mas lembre-se de trazer o seu lixo de volta.

Horário de funcionamento: de segunda a sexta, das 8h às 15h. Sábados, domingos e feriados, das 8h às 17h.
Preços: R$5 para visitação e R$15 o pernoite no camping.

Siga nossa página no Facebook

Fazenda Guarará

Se você optou por visitar as fazendas, comece pela Fazenda Guarará, que fica a 8km do centrinho, na divisa com Itaverava (uma cidade muito pequenininha que tem uma igreja majestosa e que por isso também merece uma visita).

A Fazenda da Chácara é uma das maiores e mais antigas da região, datada do século XVIII. A propriedade chegou a ter 5 mil hectares, reduzida atualmente a 126 hectares, o que já é bastante coisa. Esse terreno engloba também a antiga Fazenda Caatinga, ambas cercadas pela Mata Atlântica. As trilhas e estradas usadas durante o período colonial estão preservadas até hoje para que os visitantes possam andar em meio à natureza e assim observar a flora e a fauna nativa.

Se prepare porque o melhor ainda está por vir: no local são produzidas a cachaça Itaveravense, o Vinho Dos Montes e a premiada cerveja Loba. Estando hospedado ou não no Hotel Fazenda da Chácara (pertencente à Fazenda Guarará) você pode agendar um tour para ver o processo de fabricação da cerveja e ainda degustar algumas ao final do passeio. Só faça isso se você não estiver dirigindo, beleza?

Fazenda Fonte Limpa

A Hotel Fazenda Fonte Limpa é uma das principais fazendas do século XVIII e também uma das mais bonitas. Foi tombada pelo Patrimônio Histórico e Artístico Estadual por tamanha preservação de sua construção original. Rodeada por muita área verde, cachoeiras e nascentes de rios, ela pertence à mesma família há mais de 150 anos e há 20 funciona como hospedaria rural.

O que faz da Fazenda Fonte Limpa um dos pontos turísticos de Santana dos Montes é a excentricidade de encontrar com cachorros, ovelhas, cavalos, galinhas e outras aves soltos pelos campos. É um ótimo lugar para ir com crianças. A diversão é garantida! Outra coisa que achamos muito legal, é a presença de frases inspiradoras nas paredes. Saímos de lá com as energias renovadas.

Dentro da propriedade encontra-se conservada uma capela colonial e o restaurante funciona onde eram as senzalas.

Ficamos um pouco desapontados porque lemos no site da própria fazenda que ali dentro funcionam três museus. Quando chegamos, vimos apenas um e a pessoa responsável pelo atendimento não se mostrou muito solícita em apresentar o local, só nos disse que o museu fechado.

Observação: a indicação da Fazenda Fonte Limpa também está equivocada no Google Maps, mas basta seguir as placas que você chegará ao local correto sem nenhuma dificuldade.

Fazenda do Tanque

Depois da Fazenda Fonte Limpa, seguimos para a Fazenda do Tanque, que ficava a poucos minutos na mesma estrada. Ela é imponente, preserva o patrimônio original aliado a construções mais recentes, que correspondem a novos quartos, área de lazer e de relaxamento.

O interior conta com decoração requintada, com móveis de madeira maciça, tapetes e cortinas impecáveis. O atendimento é de primeira linha. Mesmo sabendo que estávamos de passagem e não nos hospedaríamos ali, a recepcionista nos mostrou as instalações com muita presteza.

A título de curiosidade, a Fazenda do Tanque recebeu esse nome por causa de sua função na época do Brasil Colônia. Lá, cereais e grãos eram armazenados em grandes tanques e depois despachados para o comércio.

Onde ficar em Santana dos Montes

Muitas dessas fazendas que visitamos hoje funciona como hotéis, alguns com pensão completa (café da manhã, almoço, lanche e jantar incluídos no valor da diária). Entre elas indicamos Solar dos Montes, Hotel Fazenda da Chácara, Hotel Fazenda Fonte Limpa, Fazenda do Tanque e Hotel Fazenda Santa Marina. Veja a que se adapta melhor ao seu estilo de viajante.

Dicas rápidas sobre Santana dos Montes

  • O sinal de 3G é praticamente inexistente na cidade, então baixe os mapas antes de sair de casa para conseguir usá-los offline.
  • Visite a Matriz de Sant’Ana fora do horário de celebrações para não incomodar o padre e os fiéis. A entrada é feita por um portão lateral, do lado esquerdo da igreja. Você pode subir as escadas que ficam perto da porta principal e assim ver a igreja de cima, além de conseguir uma vista panorâmica da praça.
  • O Museu Latino-Americano de Tecnologia é a única atração que tem hora para fechar e encerra suas atividades às 13h no domingo, então vale a pena começar por ele antes de conhecer as fazendas.
  • Nem sempre a opção de pagamento em cartão estará disponível, leve dinheiro em espécie.

Com você pode ver, embora seja uma cidade bem pequena, não falta o que fazer em Santana dos Montes. Não perca a chance de se desligar do mundo e apreciar a simplicidade da vida campestre, será um passeio memorável!

Prepare-se para sua viagem

Vai alugar um carro? Na Rentcars você compara preços em diversas locadoras no mundo todo com muita segurança, sem taxas no cartão de crédito, 5% de desconto no boleto, parcelamento em até 12 vezes e isenção de IOF. Veja como é simples fazer sua cotação e reservar um carro pela internet.

Mesmo sem a obrigatoriedade de contratar um seguro viagem ao viajar pelo Brasil, é altamente recomendável para garantir assistência médica em acidentes ou doenças. Você pode fazer sua cotação clicando aqui e utilizando o cupom de desconto VIAJEIBONITO5. Aprenda a contratar um seguro viagem e conheça também o seguro viagem que vale por um ano inteiro.

Gisele Rocha

Formada em Comunicação Social pela UFJF. Andou meio mundo tentando descobrir o que queria fazer, até descobrir que queria mesmo era andar pelo mundo.

Créditos da imagem de capa: Gisele Rocha