Os 10 golpes mais comuns na Tailândia e como evitá-los

A picaretagem não tem endereço fixo, está em todos os lugares, principalmente naqueles em que há grande fluxo de turistas. Não se trata apenas de furtos, pois somos brasileiros e sabemos muito bem onde esconder o nosso dinheiro durante uma viagem. Estou falando de formas de engambelar viajantes desavisados, que acabam caindo em ciladas sem se darem conta. Conheça os golpes mais comuns na Tailândia e aprenda a evitá-los enquanto é tempo.

1 Golpe dos taxistas

Essa é a classe em que os bons pagam pelos maus, pois não há lugar do mundo onde não se ouve falar em golpes articulados por taxistas. Em Bangkok o problema não se restringe às voltas desnecessárias para aumentar o lucro, mas à recusa em usar o taxímetro. Quando o turista pede uma estimativa de preço, o taxista logo de cara já quer fechar um valor absurdo e não liga o aparelho para que o passageiro possa acompanhar o valor da corrida.

Em outros casos, ele simplesmente não liga o taxímetro e quando o passageiro nota, já é tarde demais. Isso aconteceu com a gente, mas como a corrida foi curta, o desfalque não foi grande.

Como evitar: insista para que o motorista ligue o taxímetro ou parta para outro que ligue. Ou peça um Uber.

2 Golpe dos tuk-tuks

O golpe do tuk-tuk é um dos mais manjados na Tailândia

O golpe do tuk-tuk é um dos mais manjados na Tailândia. Créditos: Gisele Rocha

Esse é o golpe mais conhecido e ainda assim eu quase caí nele porque sou bobinha os caras têm uma lábia boa e não vão direto ao assunto. Quando você nota, já está quase aceitando.

Funciona da seguinte forma: um motorista de tuk-tuk te aborda na Khao San Road de maneira muito sutil, fazendo alguma gracinha, perguntando de onde você é, fala algumas coisas que conhece sobre o Brasil (ou qualquer outro país, a depender da nacionalidade da vítima), pergunta o que você já conhece de Bangkok e assim vai.

No fim das contas, depois de uma conversa aprazível, o cara meio que se despedindo diz que pode te levar para ver alguns pontos turísticos da cidade por um preço camarada. Era o equivalente a uns 10 reais para 2 pessoas e eu quase aceitei, até o Adriano despistar e me lembrar que se tratava do golpe, que consiste em cobrar um valor bem simbólico por um passeio, mas levar o passageiro a mercados, alfaiatarias e lojas e pressioná-lo a comprar coisas que nem precisa, apenas para ganhar uma comissão. Em alguns casos, os vendedores prometem até entrega internacional, que jamais chegará na sua casa.

Como evitar: não ficar esticando conversa. Eu teria cortado o papo logo no começo, mas o Adriano é mais sociável e gosta de dar atenção para as pessoas. Só que eu me deixei levar pela conversa e quase fiz papel de trouxa.

Observação importante: nós nos deslocamos de tuk-tuk para todos os lados de Bangkok, pois as corridas custam muito menos que as de taxi. A diferença é que você precisa negociar o preço antes de embarcar, nada de aceitar o primeiro preço que o motorista estabelecer.

3 Golpe dos templos fechados

Wat Arun em Bangkok, um dos templos mais bonitos da Tailândia

Wat Arun em Bangkok, um dos templos mais bonitos da Tailândia. Créditos: Gisele Rocha

Outro golpe manjado na Tailândia. Você está indo em direção a um templo (ou outra atração turística) e alguém o aborda perguntando se você quer uma corrida para algum lugar. Quando você responde que está indo visitar o templo, o sujeito diz que esse está fechado e com muita simpatia se oferece para levá-lo a outro, só pra faturar o preço da corrida. Às vezes te acompanha até um portão que sempre está fechado só para você acreditar que realmente está fora do horário de funcionamento.

Como evitar: consulte os dias e horários de funcionamento dos pontos turísticos que deseja visitar e mantenha-os anotados para não se confundir.

4 Golpe das compras repetidas

Nas lojas de conveniência da Tailândia é possível comprar um mundo de coisas por preços muito baixos, como já detalhei em outro post. Só que alguns caixas são muito espertinhos e acabam contabilizando duas vezes o mesmo produto ou dão o troco errado.

Como evitar: ficar de olho quando o funcionário estiver escaneando os produtos, conferir a notinha e conferir o troco também.

5 Golpe do aluguel

Esse é um dos golpes mais comuns na Tailândia, mas tem maior incidência de casos em cidades litorâneas, como Phuket e Pattaya. Ficamos sabendo dele através de uma cartilha que recebemos no aeroporto de Bangkok.

Tudo começa quando o turista resolve alugar uma moto ou um jet-ski. O locador retém o passaporte do interessado e às vezes uma quantia em dinheiro como garantia. Na volta, um funcionário vai fazer a inspeção e encontra diversos defeitos, cujos consertos terão valores absurdos e sairão do seu próprio bolso. Como o seu passaporte está retido na loja, você fica refém dos picaretas.

Como evitar: só alugue veículos com empresas confiáveis (nós recomendamos a Rentcars, porque dá para resolver tudo pela internet) e jamais dê o seu passaporte ou qualquer outro documento como garantia.

6 Golpe do cocô de passarinho

Este é o mais criativo de todos. Uma pessoa discretamente te acerta com uma gororoba parecida com cocô de passarinho. Você se exalta, tenta limpar aquilo e logo aparece alguém com um paninho pra te ajudar, aí sua carteira ou celular vão embora junto com a sujeira.

Como evitar: não permita contato corpo a corpo. Desconfie até de um aperto de mão muito próximo, pois os caras têm a manha da mão leve.

7 Golpe com crianças

Criança vestida com trajes típicos em Chiang Mai, na Tailândia

Criança vestida com trajes típicos em Chiang Mai, na Tailândia. Créditos: Kevin Chang / Fonte: Flickr

É difícil não se apiedar de crianças pequenas que são forçadas pelos pais a vender coisas na rua. No entanto, ao comprar coisas dos pequenos, você estará contribuindo com o trabalho infantil e, por consequência, para que eles não tenham a oportunidade de frequentar a escola.

Em alguns casos, com a orientação de adultos, essas crianças se tornam batedores de carteira e se aproveitam da aparente fragilidade para lhe furtar.

Como evitar: essa é uma situação que requer muita sensibilidade. Mesmo optanto por não comprar o que essas crianças estiverem vendendo, não seja rude com elas. Se insistirem, diga que já adquiriu um produto similar mais cedo e siga o seu rumo.

8 Golpe da leitura de mão

Adriano estava andando pela rua tranquilamente até que um rapaz apertou o passo pra ficar ao lado dele e perguntou se podia ter um minuto de atenção, ao que meu marido respondeu positivamente, como sempre faz, mas continuou andando.

O cara começou a falar características comportamentais do Adriano, como se o conhecesse há anos. Algumas até condiziam com a personalidade dele, mas eram coisas genéricas. O cara foi falando e pediu para ler a mão do Drico. Cheiro de golpe.

A gente já tinha lido que nesses casos de leitura de mão, quando o turista desavisado concorda, os caras fazem o “serviço” e depois pedem um pagamento. Diante da negativa, eles começam a pressionar a vítima até ela ficar com medo e ceder. Alguns casos terminam até em violência física.

Como evitar: não dê a mão para a pessoa ler. Faça como o Adriano, diga que não quer e saia andando. Deixe o picareta falando sozinho que uma hora ele vai desistir e sair em busca de outra vítima.

9 Golpe das lady boys e prostitutas

A exploração e o turismo sexual ainda são fortes na Tailândia

A exploração e o turismo sexual ainda são fortes na Tailândia. Créditos: dadiolli / Fonte: Flickr

Estávamos fazendo o check-out no hotel e apareceu um cara esbaforido xingando o recepcionista. Na hora não entendemos nada, mas depois o funcionário nos explicou que o tal rapaz perdeu todo o dinheiro, celular e documentos após uma noite com uma garota que ele contratou na rua e levou para o quarto, mesmo havendo na portaria um cartaz de todo tamanho deixando claro que era proibida a entrada de pessoas que não fossem hóspedes.

Esse golpe é conhecido nas noites de Bangkok e não aconteceu porque a mulher era uma prostituta, mas sim porque era desonesta. Poderia ter sido com qualquer outra pessoa que o cara conheceu na noitada e deixou entrar no quarto do hotel mesmo sabendo que era proibido e que correria riscos.

Como evitar: não leve desconhecidos para o quarto onde estão guardados todos os seus bens e não adormeça ao lado de estranhos. Já é um bom começo.

10 Golpe dos inferninhos

Ainda no mesmo tema do golpe anterior, nós ouvimos alguns casos de caras que eram convidados para “festinhas privadas” em boates, nas quais teriam que pagar apenas a bebida e a farra estaria garantida por conta da casa. Ao receberem a conta, eram cobrados valores astronômicos por essas singelas bebidas.

Diante do susto e da recusa em desenbolsar uma fortuna, as vítimas acabam sofrendo severas ameaças, inclusive ameaças de morte.

Como evitar: não vá a inferninhos, muito menos aqueles que prometem farra gratuita. Existem muitos bares e boates legais na Khao San Road, frequentados por gente do mundo inteiro. Nesses nós nos sentimos extremamente seguros.

Polícia ajuda a combater os golpes mais comuns na Tailândia

Polícia ajuda a combater os golpes mais comuns na Tailândia. Créditos: MongPro / Fonte: Shutterstock

Antes de encerrar, é válido dizer que a Tailândia nos pareceu um lugar bastante seguro. Como já conhecíamos os golpes mais comuns, estávamos sempre atentos, mas não a ponto de ficarmos paranoicos e estragar a nossa estadia nesse país de praias paradisíacas, templos deslumbrantes e pessoas amorosas.

Se você cair em alguma dessas ciladas, não altere o tom de voz e nem parta para a agressão física. Despiste e entre em contato com a polícia turística através do número 1155. Se ainda assim estiver se sentindo injustiçado, peça ajuda à Embaixada do Brasil em Bangkok ou no Consulado de Phuket.

Os 10 golpes mais comuns na Tailândia e como evitá-los

Prepare-se para viajar

Use o cupom PAI para adquirir o seguro viagem com até 20% de desconto. Além da cobertura médico-hospitalar, você também estará protegido em casos de cancelamento de viagem, extravio ou danos à bagagem.

Ícone hotel

Reserve hospedagem com antecedência através do Booking e Hostelworld para garantir preços promocionais. Parcelamento sem juros no cartão de crédito e possibilidade de cancelamento reembolsável.

Garanta internet em mais de 210 países utilizando o chip da Easysim4u, que nós já testamos na Europa e do norte ao extremo sul das Américas. Use o cupom SPRING e garanta 50% de desconto.

Economize em passagens aéreas usando o comparador de preços ou a ferramenta quando viajar, um calendário que mostra as tarifas mais baixas para o destino que você escolher.

Tenha liberdade para ir aonde quiser alugando um carro através da Rentcars, que atua em parceria com locadoras renomadas do mundo todo. Parcele sem IOF em até 12x ou cancele sem custos.

Pague menos comprando suas passagens de ônibus com a ClickBus,  a empresa líder em vendas online de passagens rodoviárias, trabalhando em parceria com mais de 140 empresas em mais de 4 mil destinos!

Faça passeios guiados em qualquer lugar do mundo e fure a fila comprando ingressos com antecedência através da GetYourGuide. Cancele sua reserva até 24 horas antes do início de sua atividade e obtenha reembolso integral.

Gisele Rocha

Formada em Comunicação Social pela UFJF. Andou meio mundo tentando descobrir o que queria fazer, até descobrir que queria mesmo era andar pelo mundo.

4 pensou em “Os 10 golpes mais comuns na Tailândia e como evitá-los

  1. Bom tópico. Apesar de eu nunca ter ido para a Tailândia eu aprecio muito o país e já procurei N coisas relacionadas ao país, inclusive os golpes Uns 2 desta listagem eu não conhecia.

    Porém, vou complementar aqui com 2 links para o pessoal ficar esperto, para não estragar a viagem a este país nem “colaborar financeiramente” com essas pessoas desonestas.

    Ambos os artigos estão em inglês
    http://www.thailandredcat.com/top-10-scams-in-thailand/
    http://travelscams.org/asia/common-tourist-scams-thailand/

    1. Sensacional, Cesar! Mesmo escrito em inglês foi uma excelente contribuição. Quem não domina o idioma pode traduzir com o aplicativo do Google Translator e aproveitar a leitura.
      Muito obrigada!

  2. Fui pra Tailândia em janeiro (2019) com o meu marido… foi a viagem mais perfeita que fizemos. Não tivemos nenhum imprevisto. Programamos o roteiro com bastante antecedência, mas mesmo assim nos informávamos no hotel, antes de dar início a nossa aventura do dia. Passamos um pouco de apuros com a língua no norte da Tailândia. No entanto em Bangkok, Phi Phi e Phuket sempre tinha alguém pra arranhar um inglês ou espanhol… Conheci um povo de uma espiritualidade inimaginável. Pra eles tudo tem uma intervenção divina, por isso respeitam tanto a monarquia deles. Muitos achavam que estávamos em dádiva porque estávamos viajando e pra eles se tratava de uma benção. Quanto as belezas naturais, sinceramente, não tenho palavras…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo