Travessia Lapinha-Tabuleiro: muito ganho para pouco gasto

Já diz o velho ditado: a primeira travessia a gente nunca esquece. Quem está acostumado ao montanhismo pouco sente durante os quase 40 km que ligam Lapinha da Serra à terceira cachoeira mais alta do Brasil. Mas quem não é adepto das longas caminhadas precisa ter muita determinação para cumprir o percurso – afinal, desistir no meio do caminho não é uma opção.

Aceitei o desafio de um grupo de amigos há mais de sete anos e partimos rumo a Lapinha da Serra, um vilarejo com cerca de 300 habitantes e visual encantador, numa sexta-feira de manhã. Após um almoço delícia ao pé da serra, com direito a comida mineira servida no fogão a lenha a R$ 15 (valor aferido em 2016), era hora de encarar a primeira e mais difícil etapa da Travessia Lapinha-Tabuleiro. Cerca de 18 km de muitas subidas separavam o início do trajeto do nosso primeiro ponto de acampamento, a casa da dona Ana Benta. Além do caminho acidentado em si, em pleno fevereiro, o sol forte já anunciava que seria uma das pedras nas nossas botas e foi. Nossa sorte é que estávamos com grande reserva de água e há alguns pontos de coleta pelo caminho.

É possível diminuir o esforço e dar a volta pelo Pico da Lapinha ao invés de fazer o percurso por ele. Mas, cá entre nós, seria queimar a largada, né? Caminhando de oeste a leste da Serra do Espinhaço, as cerca de 6 horas de caminhada foram acompanhadas pelo silêncio profundo e paisagens típicas do cerrado mineiro – campos rupestres e alguns capões de mata atlântica.

Dona Ana Benta é uma senhora que mora sozinha e, assim como todos os outros poucos moradores do caminho, vive da agricultura de subsistência. Se o grupo quiser, ela faz uma janta simples e serve café da manhã a preços justíssimos. Porém, ela faz pouca comida pois não sabe quantos montanhistas vão aparecer por lá. Por isso, não conte que terá comida quando chegar. É bônus da travessia. Já se chegar cedo você pode descolar até uma cama em um dos quartos da casa – que foi o que aconteceu comigo.

O segundo dia de caminhada começou com as dores do dia anterior, mas nos presenteou com um trajeto mais tranquilo e plano. A casa da dona Maria, nossa segunda anfitriã, chegou rápido e foi possível montar acampamento, deixar as mochilas e seguir viagem até a parte alta da cachoeira do Tabuleiro sem peso nas costas. Um alívio e tanto. Como há pontos bem íngremes, creio que foi a melhor opção.

Grandes trechos planos facilitam caminhada no segundo dia

Grandes trechos planos facilitam caminhada no segundo dia. Créditos: Vitor Moreira

No alto da cachoeira, antes mesmo da queda livre de 273 metros – o equivalente a um prédio de 91 andares – formam-se jardins naturais com grandes bromélias e orquídeas, além de pequenos poços e quedas d’água. Um brinde para quem caminha sem parar há dois dias. Para ver a cachoeira de cima, é preciso se arrastar nas pedras pois o vão enorme causa vertigens. Em pé, seria um grande risco cair penhasco abaixo.

A casa da dona Maria fica num platô lindo que, à noite, iluminado pela lua e as estrelas, ganha contornos impressionantes. Jantamos no mesmo esquema da dona Ana Benta, e fomos dormir. Na manhã seguinte, duas horas e meia de caminhada cadenciada nos levaram até a entrada do Parque Estadual Serra do Intendente, de onde sai uma trilha bem íngreme até a parte baixa da cachoeira.

Se você é do tipo que acha que para baixo todo santo ajuda, saiba que esse foi um ledo engano. Já com as articulações fadigadas dos dias anteriores e com a mochila parecendo pesar mais que o normal, chegar até o poço foi dolorido. Os joelhos quase pediram arrego. Mas não posso dizer que não valeu a pena. A queda de Tabuleiro forma uma piscina natural grande e funda. E o melhor: é livre para banho. Excelente forma de terminar a travessia, descarregando todo o cansaço nas águas geladas cor de caramelo da imensa cachoeira mineira.

Pode ter certeza que encarar a Travessia Lapinha-Tabuleiro será recompensante para a mente e a alma, por mais que exija um pouquinho do seu físico. Colecionei bolhas gigantes, mas foi a minha primeira de muitas. Tomei gosto pela coisa e não parei mais de “montanhar”.

Como chegar?

Como em qualquer travessia, você começa a caminhada em um ponto e termina em outro. Por conta disso, ir de carro não é uma opção. Como éramos seis pessoas, optamos por alugar um transfer em Belo Horizonte que nos deixou e buscou nos lugares que precisávamos. Mas também é possível ir até Lapinha da Serra de ônibus (destino final Santana do Riacho) e lá conseguir transporte, oferecido pelos próprios moradores locais, até o ponto de partida da aventura – a base do Pico da Lapinha. No retorno, o mesmo esquema. Basta pagar um transfer do parque até a rodoviária de Conceição do Mato Dentro.

Perguntas que todo mundo faz

Eu aguento a travessia?

Provavelmente sim. Os sedentários apenas sofrem muito mais. Eu não era sedentária, mas não estava acostumada a longas caminhadas em montanhas. Sofri o suficiente para querer voltar. E quem sobrevive bem ao primeiro dia, vivencia os demais com mais facilidade.

É preciso guia?

É recomendável. Há quem faça sem, mas a probabilidade de ficar perdido se você não tem experiência em montanhismo é enorme. Os nativos fazem o trajeto com pequenos grupos com a maestria de quem cresceu naquelas terras e a um preço amigável. Por menos de R$ 200 você também encontra grupos saindo de Belo Horizonte (MG).

Dá para fazer o trajeto em menos dias?

Dá sim. Há grupos que fazem o trajeto com apenas uma noite, iniciando a caminhada bem cedinho. Mas optamos pelas duas noites para poder caminhar com calma e curtir a paisagem sem pressa.

Tem sinal de telefone ou wi-fi?

Também não. Em raríssimos momentos pode ser que seu celular pegue um rastro de sinal. Por isso é preciso aguentar até o fim. Não será possível chamar um helicóptero para lhe resgatar.

E se chover?

Molha e seca. Na pior das hipóteses pode ser necessário abortar alguns trechos.

O que devo levar?

Leve o mínimo de volume possível para comer e dormir bem. Lembre-se que, quanto mais pesada a mochila, maior a sua dificuldade em cumprir as etapas. Barraca e saco de dormir são fundamentais. O isolante térmico não é necessário, mas dá mais conforto. Frutas, barras de cereal, chocolate e sanduíches caem bem. Comidas de cozimento rápido, como macarrões instantâneos, somente se o grupo levar um liquinho.

Já esteve na região e tem dicas a acrescentar neste posto? Conta pra gente!

Travessia Lapinha-Tabuleiro: muito ganho para pouco gasto

Prepare-se para viajar

Use o cupom PAI para adquirir o seguro viagem com até 20% de desconto. Além da cobertura médico-hospitalar, você também estará protegido em casos de cancelamento de viagem, extravio ou danos à bagagem.

Ícone hotel

Reserve hospedagem com antecedência através do Booking e Hostelworld para garantir preços promocionais. Parcelamento sem juros no cartão de crédito e possibilidade de cancelamento reembolsável.

Garanta internet em mais de 210 países utilizando o chip da Easysim4u, que nós já testamos na Europa e do norte ao extremo sul das Américas. Use o cupom SPRING e garanta 50% de desconto.

Economize em passagens aéreas usando o comparador de preços ou a ferramenta quando viajar, um calendário que mostra as tarifas mais baixas para o destino que você escolher.

Tenha liberdade para ir aonde quiser alugando um carro através da Rentcars, que atua em parceria com locadoras renomadas do mundo todo. Parcele sem IOF em até 12x ou cancele sem custos.

Pague menos comprando suas passagens de ônibus com a ClickBus,  a empresa líder em vendas online de passagens rodoviárias, trabalhando em parceria com mais de 140 empresas em mais de 4 mil destinos!

Faça passeios guiados em qualquer lugar do mundo e fure a fila comprando ingressos com antecedência através da GetYourGuide. Cancele sua reserva até 24 horas antes do início de sua atividade e obtenha reembolso integral.

Juliana Xavier

Formada em Comunicação Social, após 10 anos empreendendo seus conhecimentos em grandes empresas, decidiu que era hora de empreender em si mesma e ser livre para criar o que quiser.

3 pensou em “Travessia Lapinha-Tabuleiro: muito ganho para pouco gasto

  1. A descrição foi bem parecida com o que rolou comigo, só que eu tive menos comida, acampei e fui sozinho com o guia. Valeu pelo texto, me ajudou muito!

  2. Muito bom o texto, já fiz esse trajeto e para mim foi de muita superação pois sou meio sedentário e pra piorar sou fumante a 22 anos, no segundo dia tive que tomar dorflex pras dores musculares mas no resto foi tudo maravilhoso, queria voltar pelo mesmo caminho…

  3. Só pra reforçar que a Dona Benta faleceu tem anos mas o sobrinho dela preserva o lugar do mesmo jeito que ela, com muita receptividade e hospitalidade, melhor travessia do Brasil,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo