Ilha dos Amores, Pérola da Guanabara e Jardim dos Namorados. Essas são algumas das alcunhas dada à Ilha de Paquetá, um bairro cênico do Rio de Janeiro, que em nada lembra as ruas barulhentas, agitadas e inseguras de outras partes da Cidade Maravilhosa.

Aqui o cenário é diferente, parece até locação de novela de época. As ruas são de saibro, não há prédios e nem carros, o meio de transporte mais comum é a bicicleta, embora haja também carrinhos elétricos, que não poluem e não fazem barulho.

São 1,2 quilômetro quadrado de área e 8 quilômetros de perímetro de puro deleite. Um paraíso recôndito que serviu de refúgio para D. João VI e foi fonte de inspiração para escritores, romancistas, pintores e cineastas. Em Paquetá encontramos ruas limpas, gente simpática, praias de águas calmas, lindas construções e muitas particularidades. É o lugar dos sonhos para quem quer se isolar do mundo, mas com a opção de voltar rápido se for necessário.

Neste guia vamos mostrar o que fazer em Paquetá, onde se hospedar e onde comer bem gastando pouco. Ah! Todos os passeios são gratuitos. Aproveite!

Para ler em seguida

Como chegar em Paquetá

A viagem a Paquetá é feita através de barcas que saem diariamente da Praça XV. Para chegar lá, você pode chamar um Uber (use o código adrianoc135ue para ter desconto) ou pegar o metrô até a estação Carioca e depois andar mais uns 10 minutos até o porto.

A bilheteria fica no final da praça, bem em frente a uma banca de jornal. Atualmente (janeiro/2019) cada trecho da viagem custa R$6,10 (ou R$5,15 com o bilhete único) e a duração do percurso é de 70 minutos aproximadamente. A embarcação é climatizada, tem assentos confortáveis, banheiros limpos e ambulantes que vendem comidas e bebidas.

Dica: leve uma blusa fina ou algo para se cobrir durante a travessia. Os termômetros marcavam 32°C lá fora, mas com o ar-condicionado ligado na potência máxima a gente chegou a passar um friozinho.

Fique de olho nos horários atualizados no site da CCR Barcas!

Horário das barcas para a Ilha de Paquetá

Horário das barcas para a Ilha de Paquetá. Créditos: CCR Barcas

Quando ir a Paquetá?

A ilha é um destino fascinante em qualquer estação do ano, mas a melhor época para ir a Paquetá é a baixa temporada, entre abril e novembro. São os meses em que chove menos, não há grande concentração de turistas, os prestadores de serviço estão menos estressados e assim o atendimento costuma ser melhor, às vezes surgindo até algumas oportunidades para conseguir bons descontos.

Independentemente da época do ano, aos domingos e feriados a ilha costuma ficar bastante movimentada, com praias lotadas. Se isso for um incômodo para você, programe-se para visitá-la em dias de semana.

Quantos dias ficar em Paquetá?

Se o objetivo for apenas conhecer os principais pontos turísticos, um dia de passeio é suficiente. Entretanto, para curtir a noite e aproveitar a calmaria da Ilha de Paquetá para se desligar do mundo, recomendo ao menos dois dias por lá.

O que fazer em Paquetá

Não se assuste com a quantidade de pontos turísticos e monumentos listados neste guia. Há muito o que fazer em Paquetá, mas a ilha é pequena, então esses pontos ficam a poucos metros uns dos outros.

Além disso, grande parte dos lugares listados são apenas para observação externa, com uma pausa curta para admirar ou fotografar. São os parques, praias e igrejas que demandam mais tempo para visitação, mas fica a seu critério escolher o que ver de acordo com seus interesses.

Nosso roteiro começou no sentido anti-horário e achamos que funcionou bem assim. Para ajudar na localização dos pontos turísticos, disponibilizamos o nosso mapa para você usar offline durante o passeio.

Praça Pintor Pedro Bruno

Este é o primeiro lugar que você vai visitar em Paquetá, já que aqui se encontra a estação das barcas. Pedro Bruno foi um pintor, escultor e desenhista nascido na ilha, responsável por diversos projetos paisagísticos que até hoje embelezam o bairro. A própria praça foi projetada pelo artista, incluindo o bebedouro de pedra, as colunas e os bancos.

Praça Pintor Pedro Bruno, Ilha de Paquetá, Rio de Janeiro

Praça Pintor Pedro Bruno, Ilha de Paquetá, Rio de Janeiro. Créditos: Gisele Rocha

Igreja do Senhor Bom Jesus do Monte

Um ponto turístico de Paquetá que pode ser avistado ainda de dentro da embarcação é a linda Igreja do Senhor Bom Jesus do Monte, com sua majestosa cúpula pontiaguda.

Está localizada a poucos passos da estação de desembarque, na Praia dos Tamoios. Seu interior em estilo neogótico encanta pela simplicidade. Na área externa vimos alguns desenhos feitos por fiéis da paróquia e uma gruta destinada às velas.

Horário de visitação: todos os dias, das 7h às 17h.

Praça Bom Jesus do Monte

Andando por alguns metros, chegamos à Praça Bom Jesus do Monte, onde se concentram vários bares, restaurantes e uma pousada. Não paramos por muito tempo ali, pois aparentemente não havia nada que prendesse nossa atenção, exceto por uma geladeira repleta de livros. Você pode pegar algum exemplar para ler à sombra da árvore, ou deixar alguma obra que você já leu e agora merece ser compartilhada.

Caramanchão dos Tamoios

Este monumento faz parte do projeto paisagístico de Pedro Bruno para Paquetá. Consiste em uma estrutura de pedra e madeira abraçada por flores coloridas que proporciona uma linda vista para a Praia dos Tamoios. Um lugar muito romântico para namorar ou simplesmente ver a vida passar sem pressa.

Caramanchão dos Tamoios, Ilha de Paquetá, Rio de Janeiro

Caramanchão dos Tamoios, Ilha de Paquetá, Rio de Janeiro. Créditos: Gisele Rocha

Canhão de Saudação a D. João VI

Nós passamos por este canhão umas três vezes antes de notarmos sua existência. É uma peça bem pequena, que fazia parte do conjunto de canhões utilizados na recepção de D. João VI a cada vez que ele visitava a ilha.

Maria Gorda

Maria Gorda é o ser vivo mais amado da Ilha de Paquetá. Trata-se de um baobá de origem africana com sete metros de circunferência, daí o nome. De tão querida pelos moradores, foi tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac) em 1967.

Reza a lenda que quem dá um beijinho nela é recompensado com sorte eterna. Por que não tentar, né?

Parque dos Tamoios

Mais uma obra de Pedro Bruno, dessa vez dedicada aos índios Tamoyos, que ocupavam a Baía de Guanabara antes dos colonizadores chegarem.

Mesmo tendo ainda andado muito pouco, o parque nos convida a uma pausa para ver o mar na sombra de uma árvore, ou a fotografar o cenário embelezado pelas pérgolas azuis.

Pau da Paciência

Vimos essa árvore em uma ruazinha no norte da ilha e a placa “pau da paciência” nos deixou intrigados. Depois viemos a saber que o nome não foi dado para o tronco que ali estava, mas para um pelourinho que ocupava aquele lugar em meados do século XIX. Hoje em dia o canteiro atua como ponto de encontro entre os moradores de Paquetá.

Preventório Rainha Dona Amélia

Preventório é o nome do lugar para onde os filhos dos portadores de tuberculose eram levados com o objetivo de prevenir o contágio a pessoas consideradas saudáveis. Essas crianças, que a ainda não manifestavam a doença, ficavam isoladas e eram medicadas com antibióticos.

O projeto, criado nos anos 1920, era uma espécie de semi-internato e tinha como objetivo oferecer assistência a crianças em situação de vulnerabilidade social, papel este que desenvolve até hoje. Ainda são atendidas centenas de crianças vindas de famílias carentes. Ali elas podem participar de atividades educacionais e extracurriculares, que vão desde a prática de esportes até o ensino introdutório de instrumentos musicais. Além disso, contam também com serviço médico, nutricional e odontológico, tudo oferecido gratuitamente.

O local não está aberto à visitação, mas se você estiver com tempo, vale a pena passar para admirar a bela fachada.

Praça de São Roque

É a principal praça de Paquetá e leva o nome do padroeiro da ilha. Entre suas construções, destaca-se uma graciosa igrejinha em homenagem ao santo. A Capela de São Roque fazia parte da fazenda cujo terreno ocupava boa parte do norte da ilha, quando ela ainda pertencia à Freguesia de Magé. No interior há uma pintura de Pedro Bruno, mas estava fechada durante a nossa visita e por isso não pudemos vê-la.

Outra fachada que chama atenção na Praça São Roque é a da antiga Escola Municipal Pedro Bruno, atualmente desativada. Foi uma das primeiras propriedades da Ilha de Paquetá, quando ainda era sede da Fazenda São Roque. O palacete é tombado pelo município, mas seu futuro ainda é incerto. Não é possível fazer uma visita interna, mas já que você estará na praça, não custa parar e apreciar.

Na mesma praça encontram-se também o Coreto Renato Antunes e Poço de São Roque, criado para abastecer a antiga fazenda. Contam a história de que a água do poço é milagrosa, a ponto de curar uma ferida na perna de Dom João.

Casa de Artes Paquetá

Ainda na praça você verá uma bela construção com fachada alaranjada. Ela abriga a Casa de Artes Paquetá, o mais importante centro cultural da ilha, onde regularmente acontecem recitais, saraus. Seu acervo fixo conta com biblioteca e obras de arte que compõem o Centro de Memória da Ilha, disponíveis para consultas e pesquisas. Confira a programação cultural na página da Casa de Artes no Facebook.

Horário de funcionamento: todos os dias, das 10h às 17h. Ligue antes para confirmar se está aberta à visitação.

Pedra da Moreninha

A Pedra da Moreninha foi eternizada pela obra do romancista Joaquim Manoel Macedo, que teve até adaptações para a TV e o cinema.

Esta pedra – na verdade um matacão – é um mirante natural localizado entre a Praia dos Coqueiros e da Moreninha, em uma rua sem saída. Há uma escada um pouco escondida, mas o acesso ao topo é bastante simples. Lá de cima temos uma vista panorâmica da Baía de Guanabara, incluindo a Ilha do Brocoió e o suntuoso palácio utilizado como residência alternativa pelo Governador do Estado.

Solar D’El Rey

O palácio foi motivo de tristeza durante a nossa visita, pois uma construção tão importante está abandonada, coberta por mato. Este imóvel hospedou D. João durante suas passagens pela Ilha de Paquetá, no início do século XIX. Nessa época a construção era propriedade de um mercador de escravos, depois funcionou como escola e museu até que, por fim, deu lugar a uma biblioteca. Atualmente está desabitada.

Praia José Bonifácio

A Praia José Bonifácio é a mais fácil de identificar, pois é lá que ficam os famosos pedalinhos coloridos. Já cansou de bater perna e não sabe mais o que fazer em Paquetá? Alugue um desses e fique de boa!

É nessa mesma praia que se encontra a Ponte da Saudade. Ela recebeu esse nome por causa de um escravo, João Saudade, que diariamente ia ao local rezar para rever sua família que ficou na África. Do lado da ponte (que na verdade é um píer) está a Pedra dos Namorados. Segundo uma crença local, pessoas solteiras em busca de um amor podem tirar a sorte para saber se encontrarão um par em breve:

Atire três pedrinhas de costas, em direção ao topo da pedra. Se pelo menos uma não cair, com ela fica a certeza de um amor que é correspondido e eterno.

Para quem já deu beijinhos na árvore, jogar pedrinhas para trás não é nada. Só tome cuidado para não acertar ninguém!

Parque Natural Municipal Darke Mattos

Um dos mais emblemáticos pontos turísticos de Paquetá, o Parque Natural Municipal Darke Mattos abriga numerosas árvores do tempo em que o Brasil ainda era colônia de Portugal.

Possui dos mirantes de fácil acesso com vista privilegiada para a Baía de Guanabara. Lá de cima também é possível ver a cidade de Niterói, a serra de Teresópolis e dois ícones do Rio de Janeiro: o Pão de Açúcar e o Cristo Redentor, bem de longe.

Horário de funcionamento: todos os dias, das 8h às 17h.

Cemitério dos Pássaros

Não é novidade para ninguém que a gente gosta de visitar cemitérios para ver as lápides monumentais. Dessa vez fomos atraídos pela curiosidade de conhecer o primeiro cemitério de passarinhos no mundo!

Nossas emoções se dividiram: por um lado, ficamos alegres em ver o carinho que as pessoas têm para com as aves. Havia uma parede cheia de versinhos feitos para esses animais e a manutenção do espaço é feita com muito capricho. Porém, ficamos tristes ao descobrir que boa parte desses bichos passaram a vida inteira presos em gaiolas.

Cemitério dos Pássaros, Ilha de Paquetá

Cemitério dos Pássaros, Ilha de Paquetá. Créditos: Gisele Rocha

Farol da Mesbla

Caminhando para o extremo sul da ilha chegamos à Praia das Gaivotas, onde está o Farol da Mesbla, uma torre de 9 metros de altura dada de presente à ilha pela extinta rede de lojas que dá nome ao monumento.

Não está aberta à visitação, mas vale a pena passar, parar e apreciar a vista.

Farol da Mesbla, Ilha que Paquetá

Farol da Mesbla, Ilha que Paquetá. Créditos: Adriano Castro

Casa da Moreninha

Depois de longas horas de passeios, chegamos ao último ponto turístico da Ilha de Paquetá, a Casa da Moreninha. Ela se destaca não só por seu bom estado de conservação, mas por ter sido usada nas filmagens da novela A Moreninha, exibida pela Rede Globo em 1975.

Também não está aberta para visitação, mas muitos turistas param no portão para tirar uma foto em frente a essa casa que até parece de boneca, graças às paredes cor-de-rosa.

Casa da Moreninha, cartão postal da Ilha de Paquetá

Casa da Moreninha, cartão postal da Ilha de Paquetá. Créditos: Gisele Rocha

Continua após a publicidade

As praias de Paquetá são próprias para banho?

Você acabou de descobrir o que fazer em Paquetá e agora deve estar se perguntando: “mas e as praias”??? Não tem como escrever sobre uma ilha sem citá-las.

A Ilha de Paquetá, como a gente já mencionou aqui, está localizada na Baía de Guanabara, o que infelizmente nos remete a águas poluídas, onde diariamente são despejadas toneladas de lixo e esgoto.

Mesmo assim nós decidimos pesquisar se as praias de Paquetá são próprias para banho e ficamos surpresos com o relatório mais recente do INEA – Instituto Estadual do Ambiente, segundo o qual apenas a Praia Catimbau é imprópria para banho. As demais, de acordo com esse órgão do Governo, estão limpas e têm água de boa qualidade.

Buscamos mais informações a respeito balneabilidade das praias de Paquetá e encontramos uma explicação dada pelo oceanógrafo David Zee ao jornal O Dia:

Nesse canal submerso a água limpa do mar é puxada da boca da Baía de Guanabara para Paquetá. É o motivo pelo qual as suas praias permanecem sempre próprias para banho.

No boletim do INEA, as únicas recomendações são: “Evitar o banho de mar nas primeiras horas após a ocorrência de chuvas e próximo a saída de galeria de águas pluviais ou canais de drenagem”.

Apesar de todas essas constatações positivas, notamos que a água estava turva e com odor desagradável em algumas áreas, então não nos sentimos tentados a mergulhar, embora outras pessoas tivessem se rendido a essa que era a única forma de amenizar o calor que fazia naquele dia.

A ilha de Paquetá é segura?

O alto índice de criminalidade do Rio de Janeiro assusta turistas e moradores, mas a boa notícia é que em Paquetá as coisas são diferentes. O bairro é seguro, tem apenas 4.500 habitantes e se parece com uma cidadezinha interiorana, onde todo mundo se conhece pelo nome.

Aqui as casas têm muros baixos e as pessoas andam tranquilas pelas ruas tanto de dia quanto à noite. Dá para andar com o celular na mão e a câmera no pescoço sem nenhum aperreio, afinal, como disse um habitante da ilha: “aqui tem tudo, só não tem para onde fugir“.

Como se deslocar em Paquetá

A circulação de automóveis não é permitida, somente carros que prestam serviços à comunidade estão autorizados a trafegar na ilha, sendo eles: viatura policial, carro de bombeiro, ambulância, caminhão de lixo e de gás.

Até pouco tempo atrás as charretes eram um símbolo de Paquetá. Felizmente essa realidade mudou em 2016, quando esse tipo de transporte passou a ser proibido devido às condições de penúria em que os cavalos viviam e também por causa da contaminação do solo pela urina e fezes dos animais.

Final feliz para os bichos, que foram levados para um Centro de Proteção Animal em Guaratiba. No lugar deles passaram a circular “charretes elétricas”, veículos de cinco lugares que se parecem com carrinhos de golfe. Outra opção são os “eco-taxis”, estas sim parecidas com charretes, porém com uma bicicleta no lugar dos cavalos.

Preços: as charretes elétricas cobram R$100 pelo passeio de 1 hora e R$70 por 30 minutos, já os eco-táxis cobram R$5 por corrida, independente do lugar de início e de destino. Também é possível alugar uma bicicleta por R$5 e fazer o seu próprio itinerário. Pagamentos só são aceitos em dinheiro.

Charretes elétricas da Ilha de Paquetá

Charretes elétricas da Ilha de Paquetá. Créditos: Gisele Rocha

Pousadas em Paquetá

Não faltam chácaras e sobrados charmosos em Paquetá. Por sorte, muitos proprietários enxergaram o potencial turístico da ilha e abriram as portas de suas casas para hospedes, oferecendo serviços de qualidade a preços justos. Nossos favoritos são:

Você pode também conferir nosso guia de hospedagem no Rio de Janeiro.

Restaurantes em Paquetá

Lemos tantas recomendações sobre o restaurante Casinha Amarela que nem pensamos duas vezes, fomos direto para lá na hora do almoço. Pena que demos de cara com a porta! A simpática senhora que nos atendeu através da janela disse que o estabelecimento só funcionava nos finais de semana, mesmo na alta temporada.

Com o estômago roncando, nos lembramos do Zeca’s, um restaurante rústico que vimos funcionando a todo vapor na Praça Bom Jesus do Monte. Entre tantas opções deliciosas, nos decidimos por um prato de estrogonofe com arroz à piamontese e salada. O cardápio dizia que essa era uma refeição individual, mas foi o suficiente para nós dois sairmos saciados. No fim das contas, pagamos R$23 pelo almoço. O cafezinho vem de cortesia!

Na saída tivemos uma grata surpresa. Sr. Zeca foi pessoalmente falar com a gente, quis saber o nosso parecer sobre a comida e o atendimento, nos contou sobre sua rotina de trabalho e a paixão que o leva ali todos os dias, mesmo já tendo ultrapassado os 80 anos de vida. Ao se despedir, encheu as nossas mãos de balas Juquinha. Um amor!

Além dessas duas opções, ouvimos falar muito bem do Vira Canto e Casa de Noca, mas não tivemos oportunidade de conhecê-los.

Carnaval em Paquetá

O bloco Pérola da Guanabara agita a Paquetá desde 2011, levando cerca de 10 mil foliões do continente para colorir as ruas da ilha. A festa começa na barca, que fica lotada em todos os seus horários.

A concentração acontece na Praça São Roque, geralmente por volta das 13h. Monte sua fantasia e saia cedo para conseguir o passe da embarcação!

Vídeo sobre Paquetá

Você é do tipo que prefere ver a ler? Então assista ao nosso vídeo sobre a Ilha de Paquetá e o que fazer nela.

Leia mais sobre o Rio de Janeiro

Prepare-se para sua viagem

Em Rio de Janeiro, nossa sugestão de hospedagem é o Hoshtel (94, diárias a partir de R$60,00). Aprenda a reservar um hotel pela internet aqui. Você pode procurar outros hotéis através do Booking, ou então se sua preferência é por albergues, acesse o Hostelworld.

Quer economizar em sua viagem? Conheça então os cupons de desconto oferecidos pelo Viajei Bonito.

Mesmo sem a obrigatoriedade de contratar um seguro viagem ao viajar pelo Brasil, é altamente recomendável para garantir assistência médica em acidentes ou doenças. Você pode fazer sua cotação clicando aqui e utilizando o cupom de desconto VIAJEIBONITO5. Aprenda a contratar um seguro viagem e conheça também o seguro viagem que vale por um ano inteiroE se liga que tá rolando promoção! Até o dia 19/08/19 você pode usar o cupom CRESCER para garantir 10% de desconto em sua apólice! Aproveite esse descontão porque ele é por tempo limitado! Como alternativa, nós sugerimos que você também faça uma cotação na Real Seguro Viagem.

Vai alugar um carro? O preço do aluguel de veículos na categoria Economico em Rio de Janeiro é de aproximadamente R$55,00 por diária (confira mais preços aqui). Na Rentcars você compara preços em diversas locadoras no mundo todo com muita segurança, sem taxas no cartão de crédito, 5% de desconto no boleto, parcelamento em até 12 vezes e isenção de IOF. Veja como é simples fazer sua cotação e reservar um carro pela internet.

A GetYourGuide oferece passeios, tours, visitas a atrações turísticas e guias para vários destinos no mundo! Descubra o que ela tem a oferecer para Rio de Janeiro. Você pode conferir também o nosso passo-a-passo sobre como reservar tours e guias pela internet.

Descubra quando viajar para Rio de Janeiro, ou então pesquise por preços de passagens aéreas para destinos nacionais e internacionais na plataforma da Passagens Promo.

Se você teve algum voo cancelado, atrasado, perda de conexão, overbooking, extravio de bagagem ou outros tipos de imprevisto com companhias aéreas, faça aqui uma consulta e descubra se você tem direito a indenizações. A Resolvvi cuida de toda a burocracia e você recebe o valor sem sair de casa, além de pagar apenas se ganhar.

A ClickBus é uma plataforma para compra de passagens de ônibus no Brasil indicada pela ampla quantidade de itinerários. Utilize o cupom ABUS05 para garantir 5% em sua compra.

Receba um desconto em sua primeira viagem com a Uber ao utilizar o cupom 9udns9 durante o cadastro pelo aplicativo ou então através deste link.

No Rio de Janeiro, o almoço simples sai por volta de R$30,00, já o fast-food sairá por mais ou menos R$25,37. Considerando o cappuccino, podemos dizer que o cafezinho da tarde custa R$6,44. Em restaurantes, a garrafa d'água de 330ml custa R$3,26, o refrigerante - considerando também o de 330ml - custa R$5,18 e o pint de cerveja R$8,00. Descubra quanto custa viajar para Rio de Janeiro.

Adicione ao Pinterest

Clique na imagem para adicionar este artigo em seu Pinterest e veja também nossos painéis. Foto por: Gisele Rocha

Gisele Rocha

Formada em Comunicação Social pela UFJF. Andou meio mundo tentando descobrir o que queria fazer, até descobrir que queria mesmo era andar pelo mundo.

Ver mais artigos de Gisele Rocha

Créditos da imagem de capa: Gisele Rocha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *