De Bike Pela Estrada Real – Dia #12: Vida

Dia 12 – Cunha (SP) – Paraty (RJ)

Total: 57 km

Acordo antes do despertador. Estou pensando sobre os 11 dias de viagem. Lembro-me de Paraty, lembro que falta mais um pouquinho só e que dessa vez, vou pedalar em grupo. Será uma novidade assim como foi os demais dias.

Saio do quarto para tomar o café da manhã e trabalhadores já estão lá, terminando seu lanche e partindo para suas rotinas. Fico mais feliz ainda em saber que não sou eu naquele caminho.

Encontro com os paulistas e tomamos café juntos (os dois viajantes estão “descendo” para Paraty. Vão zerar o odômetro e fazer o sentido contrário, para Ouro Preto, no dia seguinte).

Foi o dia que saí mais tarde. Próximo das 10 hs. O tempo já está quente e finalmente estamos na estrada rumo a Paraty!

Placa de Paraty na Estrada Real

Placa de Paraty na Estrada Real. Créditos: Rafael Barletta

Entramos na estrada de terra com bastantes subidas. Belas paisagens vão se formando. Vales são acompanhados por rios e cachoeiras. Mantemos um ritmo bom mesmo estando cansados e após cada subidão, paramos para respirar e apreciar a paisagem. Já sabíamos que a maioria do trajeto seria por asfalto, mas dessa vez ele não acabou com o meu humor. Desbravar a estrada de Cunha até Paraty é o que mais quero nesse momento.

Antes de chegar à divisa de estados (SP/RJ) enfrentaremos a temida subida da Serra do Mar. Mesmo sendo por asfalto, não vai ser fácil. E não foi!

Companheiros temporários de viagem na Estrada Real

Companheiros temporários de viagem na Estrada Real. Créditos: Rafael Barletta

“Mas por que a pressa?! Vamos parar naquele restaurante e fazer um almoço…” Não tinha almoço no restaurante! Então desce um salgado com coca-cola.

Do lado paulista é só subida. Em um determinado ponto aparece uma cachoeira ao lado da estrada e paramos para nos refrescar. Mais algumas horas de subida e lá está mais uma placa de divisa de estados! A mesma alegria que me tomou conta no dia que passei para São Paulo renasce. Agora estamos no Rio de Janeiro e o relevo vai ficando menos inclinado. Sinal de que estamos vencendo a Serra do Mar. Ao estudar a planilha desse dia, saberíamos que seriam aproximadamente 33 km de subida (generalizando) e quando os computadores de bordo e GPS mostraram essa quilometragem não deu outra e a descida chegou. Está nos levará direto a Paraty!

Divisa entre São Paulo e Rio de Janeiro, Estrada Real

Divisa entre São Paulo e Rio de Janeiro, Estrada Real. Créditos: Rafael Barletta

Agora é hora de apreciar o vento no corpo, a exuberante Mata Atlântica e não perder o mirante que aparecerá a qualquer momento!

Lembro-me da passagem pela serra da Mantiqueira e minha desatenção quanto ao túnel histórico e dessa vez não queria perder mais nenhum ponto. Feito isso, eu e os paulistas rumamos para baixo, mas com a atenção de visualizar o mirante a qualquer momento.

O mirante era uma abertura feita pela obra na estrada-parque que realmente dá para ver a baía de Paraty. Sorriso no rosto de nós três!

Mirante e ao fundo a baía de Paraty, Estrada Real

Mirante e ao fundo a baía de Paraty, Estrada Real. Créditos: Rafael Barletta

Mais abaixo a estrada-parque está em obras. Começamos a ultrapassar os carros que descem lentamente e mais uma vez, um mirante e paramos para lanchar. São aproximadamente 15h00minhs.

Não tenho pressa nenhuma em chegar a Paraty. Já da pra sentir que estamos bem perto, mas ficar naquela paz cercado de floresta e montanha não tem preço. Vamos descendo brincando entre os obstáculos como crianças em um parque de diversões até esquecermos que carregamos bagagem e um dos suportes da bike do Antonio Carlos quebra, precisando reparar. Pausa de uns 30 min.

A descida começa a ficar menos acentuada e vamos acompanhando no GPS a altimetria. Cada nova medição é um sorriso a mais!

Várias placas nos alertam sobre cachoeiras e naquele momento a meta é a praia. Depois pensamos nas cachoeiras. Estamos no bairro da Penha com uma bela igreja, grande circulação de turistas e vamos descendo!

O sol já está se pondo. Já são mais de 50 km percorridos e lá está o portal de Paraty, na entrada da cidade. “Nossa. Que loucura! Todos esses dias pedalando e aqui estou!” Cada um com sua particularidade. Em silêncio e com um sorriso no rosto vamos entrando na cidade. “Uau! Que loucura!” era só o que me vinha à cabeça…

Os paulistas trouxeram barracas e os levei para o bairro Jabaquara, pois conheço um camping muito bom por lá. Ao deixa-los, saio à procura do hostel e combino de encontra-los mais tarde para jantar e tomar uma cerveja. Coloco as mãos no Atlântico e saio. Já está ficando escuro e quero arrumar minhas coisas para depois relaxar de vez!

Uma das maiores viagens de minha vida chega ao fim. Foram dias maravilhosos, únicos e nada solitários! A cada chegada em um destino, entrava em contato com minhas irmãs pelo Whatsapp e elas repassavam as informações aos meus pais. Sempre me preocupei em avisá-los. Eles me apoiam em tudo que faço e não poderia deixa-los ansiosos à espera de alguma notícia. Acredito que eles ficaram bem satisfeitos e aliviados ao saber que cheguei bem.

Essa viagem não foi uma aventura e nem uma busca espiritual. Foi uma escolha minha de viajar dessa forma. Uma forma diferente de vivenciar a estrada com suas cidades, personagens, histórias e culturas diversas. Muito se valoriza em uma viagem dessas como passar dias sem contato com pessoas que lhe provém facilidades no seu cotidiano e a partir daí, cria-se uma visão diferente do seu círculo diário.

Nunca me senti sozinho durante a viagem. Gosto de pessoas. Gosto de ficar com elas. Gosto dos meus amigos e familiares e em nenhum momento senti solidão. Conheci pessoas de várias partes da América e do Brasil. Norte americano, chileno, argentino, peruano, carioca, paulista, mineiro…

“A solidão é você ser desacreditado, você não ter eco naquilo que fala… ninguém te ouvir e respeitar…” Amyr Klink.

Vou ao encontro dos amigos paulistas em um quiosque na entrada do Jabaquara. Já estão lá saboreando a primeira cerveja e fizeram o pedido do jantar. Peço carne! Muita! E ali ficamos contando causos da vida, da nossa viagem, das nossas experiências e principalmente dos motivos que nos impulsionam a voltar para casa.

Último brinde em Paraty, Rio de Janeiro

Último brinde em Paraty, Rio de Janeiro. Créditos: Rafael Barletta

P.S.: Noutro dia os paulistas resolveram ficar mais dois dias na praia, curtindo a bela Paraty e seu inverno tropical.

Fiquei quase uma semana curtindo Paraty e depois fui para o Rio de Janeiro passar mais alguns dias na casa do meu amigo Adriano (mas dessa vez não foi de bike e sim de carona em um fusca de um amigo chileno. Desmontamos a bike e partimos). Aproveitei para comemorar meu aniversário na cidade maravilhosa!


De Bike Pela Estrada Real – Dia #12: Vida

Prepare-se para viajar

Use o cupom SAUDE para adquirir o seguro viagem com até 20% de desconto. Além da cobertura médico-hospitalar, você também estará protegido em casos de cancelamento de viagem, extravio ou danos à bagagem.

Ícone hotel

Reserve hospedagem com antecedência através do Booking e Hostelworld para garantir preços promocionais. Parcelamento sem juros no cartão de crédito e possibilidade de cancelamento reembolsável.

Garanta internet em mais de 210 países utilizando o chip da Easysim4u, que nós já testamos na Europa e do norte ao extremo sul das Américas. Use o cupom MULHER50 e garanta 50% de desconto.

Economize em passagens aéreas usando o comparador de preços ou a ferramenta quando viajar, um calendário que mostra as tarifas mais baixas para o destino que você escolher.

Tenha liberdade para ir aonde quiser alugando um carro através da Rentcars, que atua em parceria com locadoras renomadas do mundo todo. Parcele sem IOF em até 12x ou cancele sem custos.

Pague menos comprando suas passagens de ônibus com a ClickBus,  a empresa líder em vendas online de passagens rodoviárias, trabalhando em parceria com mais de 140 empresas em mais de 4 mil destinos!

Faça passeios guiados em qualquer lugar do mundo e fure a fila comprando ingressos com antecedência através da GetYourGuide. Cancele sua reserva até 24 horas antes do início de sua atividade e obtenha reembolso integral.

Rafael Barletta

Possui bacharel e licenciatura em Geografia. Leciona para os ensinos médio e fundamental de escolas públicas e particulares. Gasta todo seu salário no mundo duas rodas e em viagens. Não dispensa um feriado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo